Por que a virgindade é tão importante na Bíblia?


Pergunta: "Por que a virgindade é tão importante na Bíblia?"

Resposta:
Quando a Bíblia usa a palavra virgem, refere-se a uma pessoa solteira que nunca teve relações sexuais (ver Ester 2:2 e Apocalipse 14:4). Na cultura de hoje, muitas pessoas usam a palavra virgindade para expressar pureza sexual. No entanto, muitos outros usam uma definição técnica para encontrar brechas nos padrões morais, limitando a palavra a significar apenas "a condição de nunca ter ido até o fim" - assim, o casal pode fazer qualquer coisa além da relação sexual e ainda tecnicamente chamar-se "virgens". Este é um jogo de palavras não rentável. A castidade deve afetar o coração, a mente e a alma, não apenas certas partes do corpo.

A ênfase da Bíblia não é tanto em uma definição técnica ou médica da virgindade como é na condição do coração de uma pessoa. A moralidade que defendemos e as ações que escolhemos evidenciam a condição de nosso coração. O padrão da Bíblia é claro: o celibato antes do casamento e a monogamia depois do casamento.

Existem três motivos sérios para salvar o sexo para o casamento. Primeiro, como crentes, devemos obedecer ao que Deus nos diz para fazer. 1 Coríntios 6:18–20 declara: “Fugi da impureza. Qualquer outro pecado que uma pessoa cometer é fora do corpo; mas aquele que pratica a imoralidade peca contra o próprio corpo. Acaso, não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que está em vós, o qual tendes da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por preço. Agora, pois, glorificai a Deus no vosso corpo.” Se estamos em Cristo, Ele nos comprou com o sacrifício de Sua vida. Ele é nosso Senhor e devemos honrá-lo.

A segunda razão é que devemos lutar nossas batalhas espirituais usando a couraça da justiça (Efésios 6:14). Estamos em uma disputa entre nossa nova natureza em Cristo e nossos desejos carnais. 1 Tessalonicenses 4:3–7 diz: “Pois esta é a vontade de Deus: a vossa santificação, que vos abstenhais da prostituição; que cada um de vós saiba possuir o próprio corpo em santificação e honra, não com o desejo de lascívia, como os gentios que não conhecem a Deus; e que, nesta matéria, ninguém ofenda nem defraude a seu irmão; porque o Senhor, contra todas estas coisas, como antes vos avisamos e testificamos claramente, é o vingador, porquanto Deus não nos chamou para a impureza, e sim para a santificação.” Permitir que o seu corpo (em vez do Espírito) controle suas ações é um ato de desafio contra Deus. O sexo amoroso e piedoso entre marido e mulher é generoso e altruísta. Usar alguém para satisfazer um desejo da carne é egocêntrico e abusivo. Mesmo que o parceiro esteja disposto, você ainda está ajudando-o a pecar e alterando negativamente o relacionamento dessa pessoa com Deus e com os outros.

A razão final envolve o “mistério” do casamento (Efésios 5:31-32). Quando Deus falou de duas pessoas unidas como uma, Ele estava se referindo a algo que estamos apenas começando a entender de uma maneira real e fisiológica. Quando duas pessoas são íntimas, o hipotálamo no cérebro libera substâncias químicas que induzem sentimentos de apego e confiança. Fazer sexo fora do casamento resulta em uma pessoa formando um apego e confiando em alguém com quem não tem um relacionamento comprometido. A definição de confiança na mente se deteriora. Ter esse tipo de ligação com alguém sem a segurança de trabalhar juntos rumo a Deus é perigoso. Dois indivíduos que são - mesmo que levemente - fisiologicamente obcecados um pelo outro, mas não são comprometidos em crescer em Deus como um casal, podem ser arrancados de Deus e de Seus planos para eles.

Por outro lado, se duas pessoas fizerem uma escolha consciente e deliberada de se comprometerem uma com a outra em casamento e depois permitem a intimidade que libera essas substâncias químicas, o corpo pode reafirmar a conexão que a mente fez. Os sentimentos fisiológicos de confiança e apego são reforçados pela realidade do relacionamento. Dessa forma, duas pessoas se tornam uma fisicamente, e isso reflete o que Deus fez espiritualmente.

O casamento deve modelar a relação entre a igreja e Cristo. Um casal deve servir a Deus em uma parceria forte e unificada. O sexo, junto com a procriação, foi projetado por Deus para fortalecer essa parceria. O sexo fora do casamento cria laços que destroem os corações das pessoas em vez de juntá-las.

Finalmente, precisamos nos lembrar de algumas coisas sobre a virgindade, ou a falta dela, dada a graça de Deus. Aqueles que vêm a Cristo depois de se envolverem em relacionamentos sexuais antes do casamento não são virgens; no entanto, são totalmente limpos por Cristo no momento em que são salvos. Deus pode redimir qualquer um e pode curar aqueles que satisfizeram suas concupiscências carnais. Para aqueles que se envolveram em sexo antes do casamento depois de se tornarem cristãos, há perdão em Cristo. Ele pode nos purificar de toda injustiça e trazer cura (1 João 1:9). E, no caso horrível de uma pessoa vitimizada por abuso sexual ou estupro, que pode sentir que ela ou ele, sem culpa alguma, não esteja mais à altura do padrão ideal de “virgindade”, Cristo é capaz de restaurar o seu espírito, curar seu quebrantamento e conceder-lhe a inteireza novamente.

English
Voltar à página principal em português

Por que a virgindade é tão importante na Bíblia?