O que um cristão deve fazer quando as convicções violam uma sociedade tolerante?


Pergunta: "O que um cristão deve fazer quando as convicções violam uma sociedade tolerante?"

Resposta:
Muitos na sociedade hoje querem se ver como “tolerantes”. Com isso, geralmente querem dizer: “Eu aceito as pessoas por quem são sem julgar qualquer ação ou escolha de estilo de vida”. Entretanto, o cristão biblicamente informado não pode, em boa consciência, aprovar todas as ações ou escolhas de estilo de vida. A Bíblia claramente delineia alguns estilos de vida como pecaminosos e desagradáveis para Deus. Quando as convicções de um cristão colidem com o padrão de tolerância estabelecido pela sociedade, o cristão é frequentemente rotulado como "intolerante", "fanático" ou pior. Ironicamente, aqueles que afirmam ser os mais tolerantes são os menos tolerantes da cosmovisão cristã.

Às vezes, o conflito entre as convicções cristãs e os padrões seculares de tolerância envolve um negócio cristão sendo forçado a fotografar noivados gays, fazer bolos ou fornecer flores para casamentos gays ou alugar quartos para casais gays. Outras vezes, o conflito não é tão público, envolvendo parentes ou conhecidos que discordam da convicção de um cristão de se embebedar em uma festa, por exemplo, ou da coabitação antes do casamento.

Um princípio geral que abrange muitas questões foi mencionado por Pedro perante o Sinédrio: “Antes, importa obedecer a Deus do que aos homens” (Atos 5:29). Seja qual for a pressão que a sociedade exerça, o seguidor de Cristo sabe quem é o seu Senhor e opta por obedecê-lo. Em um mundo pecador que odiava a Cristo, isso naturalmente levaria a algum conflito. A “tolerância” defendida pelo mundo não deixa espaço para as convicções cristãs, mas, para os redimidos que andam no Espírito, as convicções cristãs são indispensáveis. A Bíblia diz que há um certo e um errado, e nenhuma quantidade de treinamento de sensibilidade ou sessões de aconselhamento em grupo pode mudar isso.

Se definirmos tolerar como “tolerar algo de que não gostamos”, então poderíamos dizer que a tolerância não requer aprovação ou apoio. Nesse sentido, os cristãos devem ser tão tolerantes quanto possível, para que nosso caráter amoroso seja visível para todos (Mateus 5:16). Devemos ser capazes de "aguentar" muito. Na maioria dos casos, devemos ser capazes de controlar nosso impulso de nos ressentir de algo que consideramos desagradável. O problema surge quando a tolerância é definida de uma maneira que implica uma aceitação ou mesmo aprovação daquilo que se acha ofensivo. Um cristão com convicções bíblicas pode aceitar o fato de que as pessoas pecam, mas ainda deve chamar o pecado de "pecado". As convicções de um cristão não permitem a aprovação do pecado.

Não importa como isso seja definido, a tolerância tem seus limites: que mensagem seria enviada por uma igreja que oferece cultos “interativos” com um grupo de bruxos? E se um juiz decidisse “tolerar” o perjúrio - ele o permitisse em seu tribunal, mesmo se pessoalmente não gostasse dele? Quanto desrespeito deve um professor “tolerar” em sua sala de aula? E se um cirurgião começasse a “tolerar” as condições sépticas em sua sala de cirurgia?

Quando um crente descobre que suas convicções cristãs estão em conflito com a tolerância de alguém, ele deve imediatamente fazer as seguintes coisas: 1) Ore por sabedoria e por coragem. 2) Examine suas convicções para se certificar de que elas se baseiam no que a Bíblia realmente diz, em vez de em preferências pessoais. Tomar uma posição contra um culto de adoração hindu-cristão é biblicamente sustentável; tomar uma posição contra servir comida étnica diversa na igreja não é. 3) Comprometa-se a amar seus inimigos e fazer o bem a eles (Mateus 5:38-48). 4) Decida em seu coração a se envolver no conflito revestido de "misericórdia, de bondade, de humildade, de mansidão, de longanimidade" (Colossenses 3:12). 5) Se questões legais entrarem em jogo, explore seus direitos sob a lei (veja Atos 16:37–38; 21:39).

Mesmo no meio de um conflito entre convicções piedosas e tolerância secular, os cristãos devem demonstrar o amor e a justiça de Cristo, exemplificando como a verdade e o amor podem coexistir. Em todas as situações, devemos exibir “mansidão de sabedoria, mediante condigno proceder” (Tiago 3:13). Nossa conduta deve ser tal que "naquilo em que falam contra vós outros, fiquem envergonhados os que difamam o vosso bom procedimento em Cristo" (1 Pedro 3:16).

English
Voltar à página principal em português

O que um cristão deve fazer quando as convicções violam uma sociedade tolerante?

Assine a pergunta da semana