Será que a salvação afeta mais do que a vida após a morte?



 

Pergunta: "Será que a salvação afeta mais do que a vida após a morte?"

Resposta:
Muitas vezes enfatizamos como a salvação afeta a vida após a morte, mas deixamos de considerar como deve impactar nossas vidas agora. Aproximar-se de Cristo pela fé é de tantas formas a linha divisória da vida - uma vez que somos salvos, somos libertos do pecado e recebemos uma nova vida e uma nova perspectiva. Como John Newton disse: "Eu estava perdido, mas agora fui encontrado, / Era cego, mas agora eu vejo." Depois da salvação, tudo muda.

Nas epístolas, encontramos também uma ênfase consistente na vida diária. De acordo com Efésios 2:10, a razão pela qual somos salvos não é apenas para passarmos a eternidade no céu, mas "para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas." Estas "boas obras" devem ser feitas aqui, neste mundo. Se a nossa salvação eterna não for refletida em nossas vidas diárias, há um problema.

Tiago escreveu sua carta para encorajar uma fé aplicada. A nossa salvação deve resultar em uma língua controlada (Tiago 1:26) e em outras mudanças em nossas vidas. A fé que se propõe a existir separadamente de boas obras é "morta" (Tiago 2:20). Paulo escreveu em 1 Tessalonicenses 2:12 que devemos viver "por modo digno de Deus, que vos chama para o seu reino e glória." Uma vida rendida e obediente a Deus é uma consequência natural da salvação. Jesus ensinou que somos Seus servos, colocados aqui como Seus representantes enquanto aguardamos o Seu retorno (Lucas 19:12-27).

No livro de Apocalipse, Deus envia cartas para sete igrejas (Apocalipse 2-3), e em cada caso existem áreas específicas da vida diária que são ou elogiadas ou condenadas. A igreja de Éfeso foi reconhecida por seu trabalho e paciência, e a igreja de Esmirna foi elogiada pela fidelidade em provações e pobreza. Por outro lado, a igreja de Pérgamo foi repreendida por tolerar falsas doutrinas, e da igreja em Tiatira foi repreendida por seguir um falso mestre em pecados sexuais. Obviamente, Jesus considerava a salvação algo que deve afetar a vida diária, não apenas a vida após a morte.

A salvação é o ponto de início de uma nova vida (2 Coríntios 5:17). Deus tem a capacidade de restaurar e reconstruir o que foi destruído pelo pecado. Em Joel 2:25, Deus promete a Israel que, apesar de ter-lhes trazido julgamento por seus pecados, Ele é capaz de restaurar "os anos que foram consumidos pelo gafanhoto migrador", quando Israel se arrepender e retornar a Ele. Uma restauração semelhante é prometida a Israel em Zacarias 10:6. Isso não quer dizer que ser salvo torne tudo feliz e livre de problemas nesta vida. Há momentos em que Deus escolhe permitir dificuldades como um lembrete do custo elevado do pecado ou da nossa necessidade de confiar nEle mais. Entretanto, enfrentamos essas provações com uma nova perspectiva e força que vem de cima. Na verdade, as dificuldades que enfrentamos são realmente dons de Deus que nos levam a crescer na fé e nos equipam a sermos uma bênção aos outros (2 Coríntios 1:4-6; 12:8-10).

No ministério de Jesus, todos que vieram a Ele em fé foram transformados para sempre. O demoníaco de Decápolis foi para casa um evangelista (Marcos 5:20). Leprosos foram restituídos à sociedade, purificados e alegres (Lucas 17:15-16). Pescadores tornaram-se apóstolos (Mateus 4:19); publicanos tornaram-se filantropos, e pecadores se tornaram santos (Lucas 19:8-10). Pela fé somos salvos (Efésios 2:8), e a mudança que essa salvação traz começa agora.


Voltar à página principal em português

Será que a salvação afeta mais do que a vida após a morte?