Em que os preteristas parciais acreditam? O preterismo parcial é bíblico?



 

Pergunta: "Em que os preteristas parciais acreditam? O preterismo parcial é bíblico?"

Resposta:
O preterismo é a visão escatológica de que as profecias bíblicas dos "tempos finais" já foram cumpridas. Então, quando lemos o que a Bíblia diz sobre a tribulação, estamos lendo a história. O preterismo é dividido em dois campos: o preterismo completo (ou consistente) e preterismo parcial. O preterismo completo toma uma visão extrema de que toda profecia bíblica já foi cumprida de uma maneira ou de outra. Os preteristas parciais adotam uma abordagem mais moderada, e muitos preteristas parciais consideram os preteristas completos culpados de heresia.

Aqueles que defendem o preterismo parcial acreditam que as profecias de Daniel, Mateus 24 e Apocalipse (com exceção dos últimos dois ou três capítulos) já foram cumpridas e foram cumpridas o mais tardar no primeiro século d.C. De acordo com o preterismo parcial, não há arrebatamento, e passagens descrevendo a tribulação e o Anticristo estão realmente se referindo à destruição de Jerusalém em 70 d.C. e ao imperador romano Tito. Os preteristas parciais acreditam no retorno de Cristo à Terra e em uma futura ressurreição e julgamento, mas eles não ensinam um reino milenar ou que Israel como nação tem um lugar no plano futuro de Deus. De acordo com os preteristas parciais, as referências bíblicas aos "últimos dias" estão falando dos últimos dias da Antiga Aliança Judaica, não dos últimos dias da Terra.

Para que os preteristas parciais mantenham sua posição, eles insistem que o livro de Apocalipse foi escrito cedo (antes de 70 d.C.). Eles também devem usar uma hermenêutica inconsistente ao interpretar passagens proféticas. De acordo com a visão preterista do fim dos tempos, os capítulos 6-18 do Apocalipse são altamente simbólicos, não descrevendo nenhum evento literal. Visto que a destruição de Jerusalém não envolveu a destruição total da vida marinha (Apocalipse 16:3) ou uma escuridão agonizante (versículo 10), esses julgamentos são interpretados pelo preterista como puramente alegóricos. Entretanto, de acordo com os preteristas, o capítulo 19 deve ser compreendido literalmente - Jesus Cristo retornará fisicamente. Ademais, o capítulo 20 é novamente interpretado alegoricamente pelos preteristas, enquanto que os capítulos 21-22 são entendidos literalmente, pelo menos em parte, no que diz respeito a um novo céu e nova terra.

Ninguém nega que Apocalipse contenha visões incríveis e às vezes confusas. Ninguém nega que Apocalipse descreva muitas coisas figurativamente - essa é a natureza da literatura apocalíptica. No entanto, negar arbitrariamente a natureza literal de partes selecionadas do Apocalipse é destruir a base de interpretar literalmente qualquer livro. Se as pragas, as testemunhas, a besta, o falso profeta, o reino milenar, etc., são todos alegóricos, então em que base reivindicamos que a segunda vinda de Cristo e a nova terra são eventos literais? Esse é o fracasso do preterismo - deixa a interpretação do Apocalipse às opiniões do intérprete.

Aqueles que sustentam o preterismo parcial também não leem Mateus 24 no sentido literal. Cristo falou da destruição do templo (Mateus 24:2). Entretanto, muito do que Ele descreveu não ocorreu em 70 d.C. Cristo fala desse tempo futuro como um de "grande tribulação, como desde o princípio do mundo até agora não tem havido e nem haverá jamais. Não tivessem aqueles dias sido abreviados, ninguém seria salvo; mas, por causa dos escolhidos, tais dias serão abreviados" (Mateus 24:21-22). Certamente, isso não pode ser aplicado aos eventos de 70 d.C. Tem havido tempos piores na história mundial desde então.

O Senhor também diz: "Logo em seguida à tribulação daqueles dias, o sol escurecerá, a lua não dará a sua claridade, as estrelas cairão do firmamento, e os poderes dos céus serão abalados. Então, aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem; todos os povos da terra se lamentarão e verão o Filho do Homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e muita glória" (Mateus 24:29-30). Para que os eventos desses dois versículos já tenham ocorrido, Jesus Cristo deve ter retornado corporalmente em 70 d.C. - mas Ele não o fez. O preterista parcial acredita que esses versículos não estão se referindo a um retorno corporal de Cristo, mas a uma aparição de Seu julgamento. No entanto, isso não é o que uma leitura normal e literal do texto levaria alguém a acreditar. É o "Filho do Homem" que as pessoas veem, não apenas o Seu julgamento.

Os preteristas parciais também apelam a Mateus 24:34, onde Jesus fala de "esta geração". Eles dizem que Cristo estava se referindo àqueles que viviam na época em que Ele falou as palavras registradas naquele capítulo. Assim, a tribulação deve ter ocorrido dentro de cerca de 40 anos de Sua declaração. No entanto, acreditamos que Jesus não estava se referindo ao povo de Seu dia, mas à geração que testemunharia os eventos registrados em Mateus 24:15-31. Essa geração futura testemunhará todos os eventos que se moverão rapidamente nos últimos dias, incluindo o retorno corporal de Cristo (versículos 29-30).

O ponto de vista preterista parcial leva à crença no amilenialismo (ou pós-milenialismo) e está associado à teologia da aliança. Evidentemente, rejeita o dispensacionalismo. No entanto, o seu principal problema é sua hermenêutica inconsistente e sua alegorização de muitas profecias bíblicas que são mais bem compreendidas literalmente. Embora o preterismo parcial esteja dentro do âmbito da ortodoxia, não é a visão majoritária entre os cristãos de hoje.


Voltar à página principal em português

Em que os preteristas parciais acreditam? O preterismo parcial é bíblico?