settings icon
share icon
Pergunta

O elo perdido – foi achado?

Resposta


De vez em quando, os meios de comunicação relatam irresponsavelmente a alegação sensacional de que alguém em algum lugar finalmente encontrou “o elo perdido”. Tais relatórios dão às pessoas a falsa impressão de que a ciência finalmente descobriu os restos fossilizados de uma criatura meio-humana, meio-macaco, provando assim a teoria da evolução de Darwin. Na verdade, nenhum elo perdido foi encontrado – ainda continua perdido. Muitos restos fossilizados de prossímios, macacos, símios e humanos têm aparecido, mas nenhum fóssil intermediário entre o macaco e o homem. Ansiosos como os darwinistas estão para encontrar o elo perdido, eles tendem a se concentrar em qualquer aspecto superficial de um fóssil que poderia ser interpretado como uma marca de transição evolutiva de macaco para símio ou de símio para humano. As organizações de notícias ficam mais do que felizes em publicar manchetes sensacionais, que são boas para os negócios.

Darwinius massillae, por exemplo, foi apresentado como um elo perdido. Este fóssil, também conhecido como “Ida” (em homenagem à filha do cientista norueguês que liderou a equipe de pesquisa), se parece exatamente com um lêmure moderno, exceto que ela não possui a garra de asseio comum a esses lêmures. Os darwinistas interpretaram com entusiasmo que isso significa que Ida deve ter sido uma transição evolutiva de prossímio (o grupo ao qual os lêmures pertencem) para macaco, já que os macacos não têm garras de asseio. Esta não é a única interpretação possível dos dados, como veremos, mas serve muito bem aos darwinistas.

O que acontece se encontrarmos um homem nascido com mãos, mas sem braços, de modo que suas mãos estejam presas diretamente aos ombros? Devemos acreditar que ele representa um elo perdido entre um humano e um peixe? Esse seria o mesmo raciocínio usado pelos darwinistas em relação a Ida. O fato é que existem pessoas que nascem com mãos, mas sem braços, e ainda são 100% humanas. Elas sofrem de uma condição conhecida como focomelia, que pode ser herdada ou causada pela exposição pré-natal à droga talidomida.

Será que o lêmure fossilizado, em vez de ser um elo perdido, sofria de uma deformidade? É inteiramente possível. Entretanto, qual reportagem é mais sensacional - a descoberta de um lêmure deformado morto ou a descoberta de uma nova espécie excitante que se encaixa em algum lugar dentro da suposta árvore genealógica da evolução humana? Se formos com o último em vez do primeiro, as pessoas poderiam proclamar Ida como “a oitava maravilha do mundo”. O Google poderia incorporar a imagem de Ida em seu logotipo por um dia. As manchetes podem proclamar que finalmente encontramos o elo perdido. E os devotos ansiosos de Darwin poderiam reivindicar a vitória de uma vez por todas. Na verdade, tudo isso aconteceu em 2009 – muita animação sobre um lêmure morto com algumas partes do corpo faltando.

As reportagens, em sua animação por um possível elo perdido, também deram grande destaque ao fato de Ida ter polegares e unhas oponíveis em vez de garras, que são características humanas. Eles não se preocuparam em mencionar que os lêmures modernos também têm polegares e unhas oponíveis em vez de garras, então essas características não têm nenhum significado evolutivo.

Infelizmente, a pressa em declarar um fóssil como um elo perdido acontece com regularidade. Mais exemplos poderiam ser dados de meros fragmentos de ossos e até mesmo dentes de porco que foram imaginados em homens-macacos, vendidos ao público e fotografados para uso em livros didáticos. Ossos de 100% humanos foram erroneamente jogados junto com os ossos de 100% macacos para criar espécies fantasiosas de homens-macacos. Esqueletos humanos doentes foram distorcidos para se parecerem mais como macacos e colocados em exibições.

A anatomia humana tem uma ampla gama de variações potenciais, e essas variações foram exploradas e mal interpretadas para sugerir a existência de um elo perdido. Os aborígenes australianos modernos, por exemplo, são conhecidos por seus olhos profundos, rostos curtos, sobrancelhas pesadas e mandíbulas grandes e salientes. Essas características supostamente semelhantes a macacos, juntamente com a cultura aborígene tradicional, levaram os darwinistas nos séculos 19 e 20 a imaginar que os aborígenes eram algum tipo de homem-macaco primitivo. Os pigmeus da África não se saíram melhor. Muitos foram reunidos e expostos em gaiolas como “prova” da evolução.

Alguns darwinistas dos séculos 19 e 20 pensavam que todas as pessoas não caucasianas eram parecidas com macacos e, portanto, inferiores aos brancos. O próprio Darwin escreveu que “em algum período futuro não muito distante se medido em séculos, as raças civilizadas do homem exterminarão e substituirão, quase com certeza, as raças selvagens em todo o mundo. Ao mesmo tempo, os macacos antropomorfos [macacos que parecem humanos] . . . sem dúvida serão exterminados. A brecha entre o homem e seus parentes mais próximos será então mais larga, pois ela se abrirá entre o homem em um estado mais civilizado, esperamos, do que o próprio caucasiano, e algum macaco tão inferior quanto o babuíno, em vez de, como agora, entre o negro ou o australiano e o gorila” (Charles Darwin, A Descendência do Homem, 2ª ed., John Murray, Londres, p. 156 do livro em inglês, 1887). Observe como Darwin afirma que o futuro humano “mais civilizado” virá da raça caucasiana e que os humanos mais próximos dos macacos são os negros e os aborígenes australianos (apesar do fato de que negros, aborígenes e caucasianos são todos 100% humanos, enquanto gorilas são 100% macacos). Essencialmente, é isso que os darwinistas modernos fazem com os neandertais. Os neandertais parecem ter sido apenas mais uma raça de humanos com características superficiais, “semelhantes a macacos”, como as dos aborígenes australianos. Muitos neandertais parecem ter sofrido de condições patológicas como raquitismo, escorbuto, sífilis e artrite que exacerbaram suas características superficiais de macaco. Tudo o que sabemos sobre os neandertais sugere que eram tão humanos quanto nós. Eles eram caçadores habilidosos, viviam em sociedades complexas, enterravam seus mortos e praticavam a religião.

Em suma, as deformidades e variações dentro dos genomas envolvem a duplicação, extravio, perda e/ou rearranjo de informações genéticas preexistentes. O processo pode ser observado no mundo natural e seus mecanismos são identificáveis e compreendidos. Entretanto, a evolução de prossímios em macacos ou de macacos em símios ou de macacos em humanos envolveria a introdução de novas informações genéticas em um genoma, um processo que nunca foi observado na natureza e cujos mecanismos não foram identificados pelos cientistas. Não é de admirar, então, que não possamos encontrar nenhuma evidência sólida de que isso tenha acontecido no passado. Não é à toa que o elo perdido ainda continua perdido.

English



Voltar à página principal em português

O elo perdido – foi achado?
Assine a

Pergunta da Semana

Comparte esta página: Facebook icon Twitter icon Pinterest icon Email icon
© Copyright Got Questions Ministries