Por que tanto do mundo ainda não foi evangelizado?


Pergunta: "Por que tanto do mundo ainda não foi evangelizado?"

Resposta:
A instrução final de Jesus a Seus seguidores foi a seguinte: "Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século" (Mateus 28:19–20). Quando lemos o livro de Atos, vemos que os discípulos fizeram exatamente isso. Depois que o Espírito Santo desceu sobre eles, começaram a proclamar a mensagem de Deus corajosamente (Atos 2:4). Deus deu-lhes a capacidade sobrenatural de falar em outras línguas para que pessoas de muitas terras estrangeiras ouvissem as boas novas (Atos 2:6). Essas pessoas acreditaram e depois levaram a mensagem de salvação de Deus de volta para sua terra natal, e o evangelho se espalhou.

Apesar dos ataques ao longo da história para obliterar o Cristianismo, a mensagem do evangelho continua a se espalhar à medida que vidas são transformadas pelo amor de Jesus. Existem missionários que deixaram tudo a fim de viajar a regiões difíceis para levar as boas novas aos nativos de lá. Através do evangelismo pessoal, rádio, televisão, internet, literatura e muitos outros meios, as pessoas ao redor do mundo estão ouvindo sobre a salvação de Jesus e respondendo ao Seu chamado. Nós ouvimos de muçulmanos em países fechados recebendo visões e sonhos em que Jesus aparece para eles e são então convencidos de Sua identidade como o Filho de Deus. No entanto, à medida que a população mundial se expande, aumenta também o número de pessoas não alcançadas. Apesar dos esforços da igreja, milhões de pessoas ainda nunca ouviram falar de Jesus. De fato, algumas áreas do mundo que costumavam ter uma forte presença cristã, como a Turquia e o norte da África, são agora redutos da religião falsa.

Um motivo pelo qual grande parte do mundo permanece não evangelizado é devido ao afastamento de alguns grupos de pessoas. Os exploradores ainda estão descobrindo povos e aldeias tribais tão distantes do mapa que ninguém sabia de sua existência. Em relação a isso, alguns grupos de pessoas falam idiomas que os missionários ainda não decifraram, então a comunicação com eles é quase impossível. Ainda outras tribos e nações são tão hostis a estrangeiros ou cristãos que atingi-los é perigoso. Muitos têm tentado evangelizar esses grupos e perderam suas vidas no processo, e as fronteiras do país só ficaram mais apertadas.

Ainda outro motivo pelo qual grande parte do mundo permanece não evangelizado é a apatia entre muitos cristãos nas culturas ocidentais. As palavras de Tiago podem se aplicar àqueles de nós que são ricos comparados com o resto do mundo: "Atendei, agora, ricos, chorai lamentando, por causa das vossas desventuras, que vos sobrevirão. As vossas riquezas estão corruptas, e as vossas roupagens, comidas de traça; o vosso ouro e a vossa prata foram gastos de ferrugens, e a sua ferrugem há de ser por testemunho contra vós mesmos e há de devorar, como fogo, as vossas carnes. Tesouros acumulastes nos últimos dias. … Tendes vivido regaladamente sobre a terra; tendes vivido nos prazeres…" (Tiago 5:1–5).

Essas são palavras duras para nossos ouvidos, mas devemos nos examinar para ver se elas se aplicam às nossas atitudes sobre nossos próprios recursos. Jesus nos ensinou: "das riquezas de origem iníqua fazei amigos; para que, quando aquelas vos faltarem, esses amigos vos recebam nos tabernáculos eternos" (Lucas 16:9). Em outras palavras, devemos usar nossos recursos neste mundo para promover o trabalho de Deus; o resultado será mais pessoas no céu.

Será que vemos nosso dinheiro como pertencendo a nós para gastarmos em nossos prazeres? Ou como provisão de Deus para ser usada sob Sua orientação? Consideramos o nosso tempo como pertencendo a nós mesmos para fazermos o que quisermos? Ou como um presente de Deus para investir em busca da Sua vontade? Pensamos em nossos talentos como coisas a serem aproveitadas apenas para ganho pessoal? Ou os vemos como presentes de Deus para serem usados como Ele quer? Será que paramos para considerar os pobres e os das nações empobrecidas quando decidimos como gastar nossos recursos? Será que Deus nos chamou para missões estrangeiras, mas estamos resistindo? Será que Ele nos chamou para apoiar um missionário ou ministério específico em oração, embora muitas vezes nos esqueçamos deles? Somos bons administradores das provisões que Deus nos deu e temos o cuidado de usá-las como Ele quer? Estamos buscando o Seu reino primeiro e participando da propagação do evangelho da maneira que Ele nos chamou em nossa situação de vida? Uma das razões pelas quais tantas pessoas não ouviram o evangelho é que o povo de Deus se recusa a levar o evangelho a elas. Que não nos tornemos tão acostumados ao evangelho que não desejamos vê-lo se espalhar e fazer o que pudermos para trabalhar nesse sentido.

Em Mateus 11:21–24, Jesus se dirige a cidades onde Ele havia acabado de pregar e realizar milagres, mas se recusaram a acreditar nEle: "Ai de ti, Corazim! Ai de ti, Betsaida! Porque, se em Tiro e em Sidom se tivessem operado os milagres que em vós se fizeram, há muito que elas se teriam arrependido com pano de saco e cinza. E, contudo, vos digo: no Dia do Juízo, haverá menos rigor para Tiro e Sidom do que para vós outras. Tu, Cafarnaum, elevar-te-ás, porventura, até ao céu? Descerás até ao inferno; porque, se em Sodoma se tivessem operado os milagres que em ti se fizeram, teria ela permanecido até ao dia de hoje. Digo-vos, porém, que menos rigor haverá, no Dia do Juízo, para com a terra de Sodoma do que para contigo." Isso parece dizer que Deus nos responsabilizará pelas oportunidades que nos foram dadas (Mateus 10:14–15). Visto que Deus é um juiz justo (Salmos 7:11), podemos confiar que Ele fará o que é certo quando as pessoas não alcançadas estiverem diante dEle no dia do julgamento. No entanto, também prestaremos conta se fomos ou não obedientes ao Seu mandamento de proclamar sobre o Salvador (Mateus 12:36; 2 Coríntios 5:10).

Todo cristão tem muitas oportunidades para ajudar a resolver o problema das pessoas não evangelizadas. Conforme sua situação permita, você pode se envolver em uma ou mais das seguintes oportunidades:

• Sustente organizações missionárias.

• Apoie crianças carentes através de qualquer organização de caridade que atenda às necessidades físicas e espirituais de crianças em todo o mundo.

• Pergunte ao Senhor se Ele deseja que você se torne um missionário de tempo integral.

• Faça uma viagem missionária de curta duração para uma área não alcançada. Ao avaliar em primeira mão as necessidades das pessoas, muitas vezes somos motivados pela paixão para alcançá-las. Muitas organizações prósperas começaram quando uma pessoa viu uma necessidade.

• Se você tiver conhecimentos de idiomas, torne-se um tradutor da Bíblia.

• Pare de inventar desculpas por medo ou preguiça. Se Deus está chamando você, Ele irá sustentá-lo.

• Avalie seus próprios talentos, dons e recursos para ver o que pode ser útil na divulgação do evangelho às pessoas não alcançadas. (Exemplos: habilidade de pilotar aviões, habilidades organizacionais, riqueza monetária, experiência em mecânica, conhecimento médico, etc.)

Quando subiu ao céu, Jesus confiou Sua mensagem a um punhado de pessoas. Ele poderia ter viajado mais longe do que fez durante o Seu ministério terrestre. Ele poderia ter feito as viagens missionárias que Paulo fez. Ele poderia ter enviado anjos para pregar o evangelho em todos os lugares. No entanto, não fez nenhuma dessas coisas. Em vez disso, confiou a mensagem mais importante do mundo para algumas pessoas falíveis. No entanto, essa mensagem mudou o mundo porque aquelas pessoas cheias do Espírito estavam dispostas a dar tudo de si. Quando toda pessoa que afirma seguir a Cristo também está disposta a dar tudo, podemos diminuir o problema das pessoas não evangelizadas para a glória de Deus.

English


Voltar à página principal em português

Por que tanto do mundo ainda não foi evangelizado?

Assine a pergunta da semana