O que é a glorificação?



 

Pergunta: "O que é a glorificação?"

Resposta:
A resposta curta é que a "glorificação" é quando Deus remove por completo o pecado da vida dos santos (isto é, todos os que são salvos) no estado eterno (Romanos 8:18; 2 Coríntios 4:17). Na vinda de Cristo, a glória de Deus (Romanos 5:2) – a Sua honra, louvor, majestade e santidade - será realizada em nós; em vez de sermos mortais sobrecarregados com a natureza pecaminosa, seremos transformados em imortais santos com acesso direto e irrestrito à presença de Deus, e vamos gozar da sagrada comunhão com Ele por toda a eternidade. Ao considerar a glorificação, devemos nos concentrar em Cristo, pois Ele é a "bendita esperança" de todo cristão; também podemos considerar a glorificação final como a culminação da santificação.

A glorificação final deve aguardar a manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Jesus Cristo (Tito 2:13; 1 Timóteo 6:14). Até que Ele volte, estamos sobrecarregados com o pecado, e a nossa visão espiritual é distorcida por causa da maldição. "Porque, agora, vemos como em espelho, obscuramente; então, veremos face a face. Agora, conheço em parte; então, conhecerei como também sou conhecido" (1 Coríntios 13:12). Todos os dias, devemos ser diligentes pelo Espírito de colocar à morte o que é "segundo a carne" (pecaminoso) em nós (Romanos 8:13).

Como e quando é que vamos finalmente ser glorificados? Na última trombeta, quando Jesus vier, os santos serão submetidos a uma transformação instantânea fundamental ("transformados seremos todos, num momento, num abrir e fechar de olhos" - 1 Coríntios 15:51); em seguida, o "corruptível" se revestirá da "incorruptibilidade" (1 Coríntios 15:53). No entanto, 2 Coríntios 3:18 indica claramente que, em um sentido misterioso, "todos nós", no presente, "com o rosto desvendado" estamos "contemplando a glória do Senhor" e estamos sendo transformados à Sua imagem "de glória em glória" (2 Coríntios 3:18). Para que ninguém fique pensando que esta contemplação e transformação (como parte da santificação) sejam o trabalho de pessoas especialmente santas, a Escritura acrescenta a seguinte informação: "como pelo Senhor, o Espírito." Em outras palavras, é uma bênção concedida a cada crente. Isto não se refere a nossa glorificação final, mas a um aspecto da santificação através do qual o Espírito está nos transfigurando agora. A Ele seja a glória pelo Seu trabalho em nos santificar em Espírito e em verdade (Judas 24-25; João 17:17; 4:23).

Devemos entender o que a Escritura ensina sobre a natureza da glória - tanto a glória insuperável de Deus quanto a nossa participação nela durante a Sua vinda. A glória de Deus refere-se não apenas à luz inacessível que o Senhor habita (1 Timóteo 6:15-16), mas também a Sua honra (Lucas 2:13) e santidade. O "Tu" ao qual se refere o Salmo 104:2 é o mesmo Deus referenciado em 1 Timóteo 6:15-16; Ele está “sobrevestido de glória e majestade”, coberto “de luz como de um manto” (Salmo 104:2; cf. 93:1; Jó 37:22; 40:10). Quando o Senhor Jesus voltar em Sua grande glória para julgar (Mateus 24:29-31; 25:31-35), Ele vai fazê-lo como o único Soberano, o único que tem poder eterno (1 Timóteo 6:14-16) .

Os seres criados não se atrevem a contemplar a incrível glória de Deus; como Ezequiel (Ezequiel 1:4-29) e Simão Pedro (Lucas 5:8), Isaías ficou devastado por auto-aversão na presença do Deus todo-santo. Após os serafins proclamarem: "Santo, santo, santo é o SENHOR dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua glória", Isaías disse: "ai de mim! Estou perdido! Porque sou homem de lábios impuros, habito no meio de um povo de impuros lábios, e os meus olhos viram o Rei, o SENHOR dos Exércitos!" (Isaías 6:4). Até os serafins mostraram ser indignos de contemplar a glória divina quando cobriram o rosto com as suas asas.

Pode-se dizer que a glória de Deus é "pesada" ou "carregada"; a palavra hebraica kabod significa literalmente "pesado ou carregado". Na maioria das vezes, o uso bíblico de kabod é figurativo (por exemplo, "pesado com o pecado"), do qual temos a ideia do "grande peso" de uma pessoa que é honrosa, impressionante ou digna de respeito.

Quando o Senhor Jesus se encarnou, Ele revelou tanto a santidade "pesada" de Deus quanto a plenitude de Sua graça e verdade ("E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai" [João 1:14; cf. 17:1-5]). A glória revelada pelo Cristo encarnado acompanha o ministério do Espírito (2 Coríntios 3:7); é imutável e permanente (Isaías 4:6-7; cf. Jó 14: 2; Salmo 102:11; 103:15; James 1:10). As manifestações anteriores da glória de Deus eram temporárias, como a efluência da glória de Deus que desapareceu do rosto de Moisés. Moisés velou o seu rosto para que os israelitas de corações duros não pudessem ver que a glória estava desaparecendo (1 Coríntios 3:12), mas no nosso caso, o véu foi removido por meio de Cristo, e refletimos a glória do Senhor e buscamos, por meio do Espírito, ser como Ele.

Em Sua oração sacerdotal, o Senhor Jesus pediu que Deus nos santificasse por Sua verdade (ou seja, nos tornasse santos; João 17:17); a santificação é necessária se quisermos ver a glória de Jesus e estar com Ele na comunhão eterna (João 17: 21-24). “Pai, a minha vontade é que onde eu estou, estejam também comigo os que me deste, para que vejam a minha glória que me conferiste, porque me amaste antes da fundação do mundo” (João 17:24). Se a glorificação dos santos seguir o padrão revelado nas Escrituras, ela deve envolver a nossa participação na glória (isto é, na santidade) de Deus.

De acordo com Filipenses 3:20-21, a nossa pátria está nos céus, e quando o nosso Salvador retornar, Ele vai transformar os nossos corpos de humilhação para "ser igual ao corpo da sua glória." Embora ainda não sido revelado o que havemos de ser, sabemos que, quando Ele retornar em grande glória, seremos semelhantes a Ele, porque O veremos como Ele é (1 João 3:2). Vamos ser perfeitamente transformados à imagem de nosso Senhor Jesus e seremos como Ele porque a nossa humanidade estará livre do pecado e de suas consequências. A nossa esperança abençoada deve nos encorajar a viver em santidade, com o Espírito nos ajudando. "E a si mesmo se purifica todo o que nele tem esta esperança, assim como ele é puro" (1 João 3:3).


Voltar à página principal em português

O que é a glorificação?