iption" property="og:description" content="O que é o hadith no Is
settings icon
share icon
Pergunta

Os cristãos devem participar de festivais religiosos de outras religiões?

Resposta


Alguns cristãos dizem que não há nada de errado em fazer refeições com muçulmanos durante o Ramadã ou desfrutar de uma caveira de açúcar no Dia dos Mortos. Outros cristãos afirmam que os cristãos não devem participar de feriados de outras religiões. O básico da questão é se é ou não possível que um cristão participe de um feriado ou festival não-cristão sem endossar as crenças por trás dele.

Primeiro precisamos distinguir entre participar de um festival cultural e um festival religioso. Alguns festivais são simplesmente expressões de uma cultura particular e uma celebração do povo, história e contribuições dessa cultura para a sociedade em geral. Não há nada inerentemente errado em participar de um festival na Irlanda, por exemplo. Um cristão pode se vestir de verde, provar um pouco de colcannon e aplaudir ao ritmo de uma música sem aceitar o catolicismo. Aprender e desfrutar de uma cultura diferente é moralmente neutro.

Por outro lado, participar de um festival religioso é repleto de perigos espirituais. Honrar um falso deus é sempre um pecado. “Filhinhos, guardai-vos dos ídolos” (1 João 5:21). Se qualquer parte de uma celebração envolver ações que honrem ou paguem tributo a um falso deus, os cristãos não devem participar. Não há espaço para concessões nesta área. Paulo faz uma pergunta retórica: “... não é certo que aqueles que se alimentam dos sacrifícios são participantes do altar? ... Antes, digo que as coisas que eles sacrificam, é a demônios que as sacrificam e não a Deus; e eu não quero que vos torneis associados aos demônios” (1 Coríntios 10:18, 20). A participação em festivais religiosos não-cristãos não pode ser justificada. A Bíblia afirma: “Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios” (versículo 21).

A dificuldade surge no fato de que a religião é muitas vezes parte integrante da cultura. Em muitos casos é impossível extrair o elemento religioso do que de outra forma seria um evento puramente secular. Por exemplo, as fogueiras e o pó colorido das celebrações do Holi na Índia parecem inocentes o suficiente, mas estão inextricavelmente ligados à mitologia hindu: as fogueiras representam a queima do demônio feminino Holika, e o lançamento de pó colorido homenageia o deus Krishna – retratado na arte hindu como tendo pele azul - e sua amante Radha. Os cristãos na Índia evitam participar do festival Holi porque é reconhecido como uma celebração pagã e idólatra.

Em outros casos, o significado religioso de certas celebrações diminuiu ao longo dos anos, a ponto de muitos participantes desconhecerem a história espiritual por trás da ocasião. Vemos isso até mesmo nas celebrações modernas de Natal, pois o dia em homenagem ao nascimento de Cristo é considerado cada vez mais como nada mais que um festival cultural na sociedade ocidental. O Festival das Lanternas da China, ou Yuan Xiao Jie, é um outro exemplo. O festival começou há muito tempo como uma observância religiosa, mas agora é visto simplesmente como uma celebração de ano novo da cultura tradicional chinesa. Há também a tradicional dança hula havaiana, que começou como uma forma de adoração a Laka, a deusa do amor, das florestas e das plantas. Sacrifícios e orações a Laka acompanhavam antigas apresentações da sagrada hula nos templos. Hoje, a maioria dos observadores – talvez até mesmo a maioria das dançarinas de hula – desconhece as origens pagãs da dança. Será que um cristão pode participar de um Festival das Lanternas Chinesas ou de um luau com dança de hula, dado o fato de que a maioria dos tons religiosos desapareceu? A questão pode ser uma questão de consciência, em vez de um princípio bíblico estabelecido.

Se um cristão é convidado a participar de um festival que celebra abertamente outra religião, é seu dever recusar respeitosamente o convite. Uma explicação do porquê seria apropriada e pode até abrir a porta para compartilhar o evangelho. Também pode ser apropriado sugerir outro horário, não relacionado à cerimônia religiosa, para o encontro.

Precisamos de discernimento nesta e em muitas outras áreas. Participar de um festival puramente cultural é bom, mas participar de um festival religioso dá a impressão de aprovação tácita. Determinar o nível de participação em um festival cultural com raízes religiosas requer sabedoria; por causa da própria consciência e da integridade do testemunho, tais decisões só devem ser tomadas após oração, estudo da cultura e solicitação de conselhos piedosos. O que quer que façamos, precisamos fazer tudo para a glória de Deus (1 Coríntios 10:31).

English



Voltar à página principal em português

Os cristãos devem participar de festivais religiosos de outras religiões?
Assine a

Pergunta da Semana

Comparte esta página: Facebook icon Twitter icon YouTube icon Pinterest icon Email icon
© Copyright Got Questions Ministries