O que é a Fé Bahá'í?


Pergunta: "O que é a Fé Bahá'í?"

Resposta:
A Fé Bahá'í é uma das mais novas religiões mundiais originadas do islamismo xiita na Pérsia (atual Irã). No entanto, chegou a alcançar uma posição singular. A Fé Bahá'í distinguiu-se como uma religião mundial sem igual devido ao seu tamanho (5 milhões de membros), sua escala global (236 países), sua autonomia prática de sua religião ancestral do Islã e sua singularidade doutrinária (sendo monoteísta, mas inclusiva).

O primeiro precursor da Fé Bahá'í foi Sayid Ali Muhammad, o qual, no dia 23 de maio de 1844, declarou-se o Báb ("a porta"), a oitava manifestação de Deus e a primeira desde Maomé. Implícitas nessa declaração estavam a negação de Maomé como o último e maior profeta e uma negação da autoridade única do Alcorão. O Islã não aceitou gentilmente esses pensamentos. O Báb e seus seguidores, chamados Bábis, viram uma pesada perseguição e fizeram parte de um grande derramamento de sangue até o Báb finalmente ser executado como prisioneiro político apenas seis anos depois em Tabríz, Ádhirbáyján, em 9 de julho de 1850. Entretanto, antes de morrer, Báb falou de um profeta que estava por vir, referido como "aquele em quem Deus se manifesta". Em 22 de abril de 1863, Mirza Husayn Ali, um de seus seguidores, declarou-se o cumprimento dessa profecia e a última manifestação de Deus. Ele assumiu o título de Bahá'u'lláh ("glória de Deus"). O Báb foi, portanto, visto como um precursor do tipo "João Batista" que veio antes de Bahá'u'lláh, o qual é a manifestação mais significativa para esta era. Seus seguidores são chamados de Bahá'ís. A singularidade dessa florescente Fé Bahá'í, como veio a ser chamada, torna-se clara nas declarações de Bahá'u'lláh. Ele não apenas alegou ser o mais recente profeta previsto no islamismo xiita e uma manifestação de Deus, mas alegou também ser a segunda vinda de Cristo, o prometido Espírito Santo, o Dia de Deus, a Maitreya (do Budismo) e o Krishna (do Hinduísmo). Uma espécie de inclusivismo é aparente desde os primeiros estágios da Fé Bahá'í.

Não se diz que nenhuma outra manifestação tenha vindo desde Bahá'u'lláh, mas sua liderança foi passada por nomeação. Ele designou um sucessor em seu filho Abbas Effendi (mais tarde, 'Abdu'l-Bahá, "escravo de Bahá"). Embora os sucessores não pudessem falar escrituras inspiradas de Deus, eles poderiam interpretar infalivelmente as escrituras e eram vistos como a manutenção da verdadeira palavra de Deus na Terra. Abdu'l-Bahá indicaria o seu neto Shoghi Effendi como sucessor. Shoghi Effendi, no entanto, morreu antes de nomear um sucessor. A lacuna foi preenchida por uma instituição governamental engenhosamente organizada, Casa Universal de Justiça, que permanece no poder hoje como o corpo governante da Fé Mundial Bahá'í. Hoje, a Fé Bahá'í existe como uma religião mundial com conferências internacionais e anuais reunidas na Casa Universal de Justiça em Haifa, Israel.

As doutrinas centrais da Fé Bahá'í podem ser atraentes em sua simplicidade:

1) Adoração de um Deus e a reconciliação de todas as principais religiões.
2) Valorização da diversidade e moralidade da família humana e a eliminação de todo preconceito.
3) O estabelecimento da paz mundial, igualdade entre mulheres e homens e educação universal.
4) Cooperação entre Ciência e Religião na busca do indivíduo pela verdade.

A estas podem ser acrescentadas certas crenças e práticas implícitas:
5) Uma Linguagem Auxiliar Universal.
6) Pesos e Medidas Universais.
7) Deus, o qual é incognoscível, revela-se através de manifestações.
8) Essas manifestações são uma espécie de revelação progressiva.
9) Nenhum proselitismo (testemunho agressivo).
10) O estudo de diferentes escrituras além de simplesmente livros bahá'ís.
11) A oração e a adoração são obrigatórias e muito delas de acordo com instruções específicas.

A Fé Bahá'í é bastante sofisticada, e muitos de seus seguidores hoje são educados, eloquentes, ecléticos, politicamente liberais, mas socialmente conservadores (ou seja, contra o aborto, a favor da família tradicional, etc.). Além disso, os bahá'ís não só devem entender suas próprias escrituras bahá'ís, mas também devem estudar as escrituras de outras religiões mundiais. Portanto, é bem possível encontrar um bahá'í mais educado no Cristianismo do que o cristão mediano. Além disso, a Fé Bahá'í tem uma forte ênfase na educação combinada com certos valores liberais, como o igualitarismo de gênero, educação universal e harmonia entre ciência e religião.

Não obstante, a Fé Bahá'í tem muitas lacunas teológicas e inconsistências doutrinárias. Em comparação com o Cristianismo, seus principais ensinamentos são apenas superficiais em sua semelhança. As diferenças são profundas e fundamentais. A Fé Bahá'í é ornamentada e uma crítica completa seria enciclopédica. Então, apenas algumas observações são feitas abaixo.

A Fé Bahá'í ensina que Deus é incognoscível em Sua essência. Os bahá'ís têm dificuldade em explicar como podem ter uma teologia elaborada sobre Deus, mas afirmam que Deus é "incognoscível". E não ajuda dizer que os profetas e manifestações informam a humanidade sobre Deus porque, se Deus é "incognoscível", então a humanidade não tem um ponto de referência que oriente qual mestre esteja dizendo a verdade. O Cristianismo corretamente ensina que Deus pode ser conhecido, como é naturalmente conhecido até mesmo pelos descrentes, embora talvez não tenham um conhecimento relacional de Deus. Romanos 1:20 diz: "Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas…" Deus é cognoscível, não apenas através da criação, mas através da Sua Palavra e da presença do Espírito Santo, o qual nos guia, nos conduz e testemunha que somos Seus filhos (Romanos 8:14-16). Não só podemos conhecê-lo, mas podemos conhecê-lo intimamente como nosso "Aba, Pai" (Gálatas 4:6). É verdade que Deus pode não encaixar a Sua infinitude em nossas mentes finitas, mas o homem ainda pode ter um conhecimento parcial de Deus que é inteiramente verdadeiro e relacionalmente significativo.

Sobre Jesus, a Fé Bahá'í ensina que Ele foi uma manifestação de Deus, mas não uma encarnação. A diferença parece pequena, mas na verdade é enorme. Os bahá'ís acreditam que Deus é incognoscível; portanto, Deus não poderia encarnar a Si mesmo para estar presente entre os homens. Se Jesus é Deus no sentido mais literal, e Jesus é cognoscível, então Deus é cognoscível e a doutrina bahá'í explode. Então, os bahá'is ensinam que Jesus era um reflexo de Deus. Assim como uma pessoa pode olhar para um reflexo do sol em um espelho e dizer: "Existe o sol", então alguém pode olhar para Jesus e dizer: "Existe Deus", que significa "Há um reflexo de Deus". Aqui, novamente, o problema de ensinar que Deus é "incognoscível" surge porque não haveria como distinguir entre manifestações ou profetas verdadeiros e falsos. O cristão, no entanto, pode argumentar que Cristo Se colocou à parte de todas as outras manifestações e confirmou Sua auto-atestada divindade quando ressuscitou fisicamente dos mortos (1 Coríntios 15), um ponto que os Bahá'ís também negam. Embora a ressurreição seja um milagre, não deixa de ser um fato historicamente defensável, dado o corpo de evidências. Dr. Gary Habermas, Dr. William Lane Craig e N.T. Wright fizeram um bom trabalho defendendo a historicidade da ressurreição de Jesus Cristo.

A Fé Bahá'í também nega a suficiência exclusiva de Cristo e da Escritura. De acordo com a Fé Bahá'í, Krishna, Buda, Jesus, Maomé, o Báb e Bahá'u'lláh eram todos manifestações de Deus, e o último deles teria a mais alta autoridade já que teria a mais completa revelação de Deus, de acordo com a ideia de revelação progressiva. Aqui, a apologética cristã pode ser empregada para demonstrar a singularidade das alegações do Cristianismo e sua veracidade doutrinária e prática exclusiva de sistemas religiosos contrários. A Fé Bahá'í, no entanto, preocupa-se em mostrar que todas as principais religiões do mundo são, em última análise, reconciliáveis. Quaisquer diferenças seriam explicadas como:

1) Leis sociais - em vez de leis espirituais supra culturais.
2) Revelação inicial - em oposição à revelação posterior mais “completa”.
3) Ensino Corrompido ou Interpretação Errada.

No entanto, mesmo concedendo essas qualificações, as religiões mundiais são muito variadas e fundamentalmente diferentes para serem reconciliadas. Dado o fato de que as religiões mundiais obviamente ensinam e praticam coisas contrárias, o fardo está nos Bahá'ís para salvar as principais religiões mundiais enquanto ao mesmo tempo desmantelam quase tudo o que é fundamental para essas religiões. Ironicamente, as religiões que são mais inclusivas – o Budismo e o Hinduísmo - são classicamente ateístas e panteístas (respectivamente), e nem o ateísmo nem o panteísmo são permitidos dentro da estritamente monoteísta Fé Bahá'í. Enquanto isso, as religiões que são menos teologicamente inclusivas da Fé Bahá'í – o Islamismo, Cristianismo, Judaísmo Ortodoxo - são monoteístas, como é o caso da Fé Bahá'í.

Além disso, a Fé Bahá'í ensina uma espécie de salvação baseada em obras. A Fé Bahá'í não é muito diferente do Islã em seus principais ensinamentos sobre como ser salvo, exceto que, para os bahá'ís, pouco se fala sobre a vida após a morte. Esta vida terrena deve ser preenchida com boas obras que contrabalançam as más ações de alguém e com uma demonstração de ser merecedor da libertação final. O pecado não é pago ou dissolvido; ao invés, é desculpado por um Deus presumivelmente benevolente. O homem não tem um relacionamento significativo com Deus. De fato, os bahá'is ensinam que não há personalidade na essência de Deus, mas apenas em suas manifestações. Assim, Deus não Se submete facilmente a um relacionamento com o homem. Consequentemente, a doutrina cristã da graça é reinterpretada de modo que a "graça" signifique "a permissão divina de Deus para que o homem tenha a oportunidade de obter libertação". Embutidas nesta doutrina encontram-se uma negação da expiação sacrificial de Cristo e uma minimização do pecado.

A visão cristã da salvação é muito diferente. O pecado é entendido como sendo de consequência eterna e infinita porque é um crime universal contra um Deus infinitamente perfeito (Romanos 3:10, 23). Da mesma forma, o pecado é tão grande que merece um sacrifício de vida (sangue) e incorre em punição eterna na vida após a morte. No entanto, Cristo paga o preço que todos devem, morrendo como um sacrifício inocente por uma humanidade culpada. Porque o homem não pode fazer nada para expiar por seus próprios pecados ou para merecer a recompensa eterna, ele ou deve morrer por seus próprios pecados ou crer que Cristo graciosamente morreu em seu lugar (Isaías 53; Romanos 5:8). Assim, ou a salvação é pela graça de Deus através da fé do homem ou simplesmente não há salvação eterna.

Sendo assim, não é de surpreender, então, que a Fé Bahá'í proclame que Bahá'u'lláh seja a segunda vinda de Cristo. O próprio Jesus nos advertiu no Evangelho de Mateus sobre o fim dos tempos: "Então, se alguém vos disser: Eis aqui o Cristo! Ou: Ei-lo ali! Não acrediteis; porque surgirão falsos cristos e falsos profetas operando grandes sinais e prodígios para enganar, se possível, os próprios eleitos" (Mateus 24:23-24). Curiosamente, os bahá'ís tipicamente negam ou minimizam quaisquer milagres de Bahá'u'lláh. As alegações espirituais singulares dele baseiam-se em uma autoridade auto-atestada, sabedoria incomum e inculta, escrita prolífica, vida pura, consenso da maioria e outros testes subjetivos. Os testes mais objetivos, como o cumprimento profético, empregam interpretações altamente alegóricas das escrituras (veja Ladrão na Noite, de William Sears). A crença em Bahá'u'lláh é reduzida, em grande medida, a um ponto de fé - alguém está disposto a aceitá-lo como a manifestação de Deus mesmo na ausência de evidência objetiva? É claro que o Cristianismo também exige fé, mas o cristão tem evidências fortes e demonstráveis junto com essa fé.

A Fé Bahá'í, portanto, não está de acordo com o Cristianismo clássico, e tem muito a responder por si mesma. Como um Deus incognoscível poderia eliciar uma teologia tão elaborada e justificar uma nova religião mundial é um mistério. A Fé Bahá'í é fraca em abordar o pecado, tratando-o como se não fosse um grande problema, mas fosse facilmente superável pelo esforço humano. A divindade de Cristo é negada, assim como o valor evidencial e a natureza literal da ressurreição de Cristo. E para a Fé Bahá'í, um dos seus maiores problemas é o pluralismo. Isto é, como se pode reconciliar religiões divergentes sem deixá-las teologicamente destruídas? É fácil argumentar que as religiões mundiais tenham semelhanças em seus ensinamentos éticos e algum conceito de realidade final. No entanto, é outra coisa totalmente diferente tentar argumentar a unidade em seus ensinamentos fundamentais sobre o que é a realidade final e como essas éticas são fundamentadas.

English
Voltar à página principal em português

O que é a Fé Bahá'í?

Assine a pergunta da semana