settings icon
share icon
Pergunta

A Bíblia apoia a eugenia?

Resposta


O Eugenia Bíblia é um termo que o Talmude usa para se referir ao repositório de todas as almas não nascidas. O Talmude é o comentário judaico sobre a Torá, ou Antigo Testamento, e especialmente os primeiros cinco livros da Bíblia conhecidos como Pentateuco. A tradição judaica afirma que o Talmude começou como ensinamentos orais transmitidos por Moisés que foram concluídos em algum momento entre os séculos 4 e 2 a.C.

A eugenia é um movimento social que apoia o suposto aprimoramento da população humana por meio da reprodução seletiva e outros meios. Foi originalmente desenvolvida por Francis Galton, um primo de Charles Darwin, e baseia-se na teoria da evolução de Darwin. A palavra eugenia significa literalmente "bom nascimento" e vem de uma palavra grega que significa "bem nascido, de boa linhagem, de raça nobre". O objetivo da eugenia é tornar o mundo (ou pelo menos um país) um lugar melhor, guiando o curso da reprodução humana e “purificando” o fundo genético.

Os eugenistas defendem a triagem genética, o controle da natalidade, a segregação, o transumanismo, a eutanásia, a esterilização compulsória, a gravidez forçada e o aborto. A eugenia era praticada abertamente nas primeiras décadas do século 20 em muitos países, incluindo os Estados Unidos. Várias leis estaduais foram aprovadas permitindo a esterilização forçada de pessoas institucionalizadas. Tal lei na Virgínia sobreviveu a uma contestação do tribunal, com o juiz da Suprema Corte Oliver Wendell Holmes Jr. escrevendo na decisão: “É melhor para todo o mundo se, em vez de esperar que filhos degenerados sejam executados pelo crime, ou deixá-los morrendo de fome por causa de sua imbecilidade, a sociedade puder evitar que aqueles que são manifestamente inadequados perpetuem a sua espécie” (Buck v. Bell, Suprema Corte, 274 US 200, decidido em 2 de maio de 1927). Após a Segunda Guerra Mundial, a eugenia com esse nome caiu em desgraça quando a extensão das atrocidades nazistas se tornou conhecida.

Margaret Sanger, a fundadora da Planned Parenthood, o maior provedor de aborto da América, também era uma defensora da eugenia. Sanger protestou contra a "criação imprudente" dos "inaptos". Em seu livro Woman and the New Race, ela escreveu: “A coisa mais misericordiosa que uma grande família pode fazer a um de seus membros infantes é matá-lo” (Capítulo V, “The Wickedness of Creating Large Families,” 1920). Ela desejava “criar uma raça de puros-sangues humanos” e preferia que uma sociedade “produzisse mil puros-sangues do que um milhão de nanicos” (Rádio WFAB Syracuse, 29 de fevereiro de 1924, transcrito em “The Meaning of Radio Birth Control,” abril de 1924, p. 111).

A Bíblia não menciona especificamente a eugenia, mas a ideia por trás da eugenia - que o homem pode melhorar a si mesmo ao livrar o mundo de pessoas “indesejáveis” - definitivamente não é bíblica. E os métodos promovidos pelos eugenistas, incluindo o aborto, a eutanásia e a segregação racial, são práticas perversas. Deus disse à humanidade: “Sede fecundos, multiplicai-vos” (Gênesis 1:28; 9:1, 7). Nenhuma exceção a essa ordem é dada nas Escrituras, e certamente não há modificação racial a essa ordem sugerida em qualquer lugar da Bíblia. Para os engenheiros sociais usurparem a autoridade de Deus sobre a vida e a morte a fim de criar uma "raça superior" autodefinida é algo muito mau. Biblicamente, existe apenas uma raça - a raça humana - com todos os descendentes de Adão e Eva. A discriminação racial e a superioridade étnica vão contra a própria natureza de Deus: "Deus não faz acepção de pessoas; pelo contrário, em qualquer nação, aquele que o teme e faz o que é justo lhe é aceitável" (Atos 10:34-35).

O teólogo inglês G. K. Chesterton escreveu em seu livro de 1922 Eugenics and Other Evils: “Não há razão na eugenia, mas há muitos motivos. Seus defensores são muito vagos sobre sua teoria, mas serão dolorosamente práticos sobre sua prática” (do Capítulo VIII, “Um Resumo de uma Teoria Falsa”). Como essa prática envolve o aborto e a eutanásia, a eugenia é simplesmente assassinato.

A eugenia não é comumente chamada por esse nome hoje, mas a filosofia subjacente ainda é evidente na genética médica. O rastreamento genético e a manipulação de genes fetais de hoje são vestígios da eugenia. Quando um possível defeito genético é diagnosticado em um feto, alguns casais optam por abortar o bebê. Os nascituros com síndrome de Down são um exemplo: nos Estados Unidos, cerca de 67% dos nascituros com diagnóstico de síndrome de Down são abortados; na França, 77 por cento; na Dinamarca, 98%; e na Islândia quase 100 por cento (“'Em que tipo de sociedade você quer viver?': Dentro do país onde a síndrome de Down está desaparecendo,” cbsnews.com/news/down-syndrome-iceland, acessado em 22/06/20). Tudo isso é eugenia por um nome diferente, pois as pessoas continuam a tentar identificar e eliminar o material genético que consideram "impróprio" ou indesejável.

A eugenia é um experimento de engenharia social sem mérito e imoral. É uma ladeira escorregadia em que os cientistas loucos de Chesterton anulam a autoridade de Deus e procuram criar sua própria utopia na Terra. Séculos atrás, Jó lamentou o mal de seus dias: “De madrugada se levanta o homicida, mata ao pobre e ao necessitado, e de noite se torna ladrão” (Jó 24:14). Este é o papel do eugenista: matar os pobres e necessitados e aqueles que ele considera "indignos", prevenir uma "má qualidade de vida" (em sua avaliação) ao escolher tirá-la, negando a liberdade dos homens e brincando de Deus.

No dia em que Jesus e Seus discípulos estavam caminhando em Jerusalém, Seus discípulos perguntaram sobre um homem cego de nascença. Eles queriam saber: "Mestre, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego?" (João 9:2). Jesus respondeu: “Nem ele pecou, nem seus pais; mas foi para que se manifestem nele as obras de Deus” (versículo 3). Quem somos nós para decidir quem exibe ou não as obras de Deus?

Em contraste direto com a eugenia, a Bíblia nos diz para defendermos os fracos e desfavorecidos: “Socorrei o fraco e o necessitado; tirai-os das mãos dos ímpios” (Salmo 82:4); “Bem-aventurado o que acode ao necessitado; o SENHOR o livra no dia do mal” (Salmo 41:1; veja também Mateus 25:35–36; Atos 20:35). Matar os desfavorecidos, abater aqueles que os mais afortunados determinam como “ineptos” para a vida ou eliminar os fracos é algo completamente ímpio.

English



Voltar à página principal em português

A Bíblia apoia a eugenia?
Assine a

Pergunta da Semana

Comparte esta página: Facebook icon Twitter icon Pinterest icon Email icon
© Copyright Got Questions Ministries