settings icon
share icon
Pergunta

A datação por carbono é um método confiável de determinar a idade das coisas?

Resposta


A datação por carbono, ou datação por radiocarbono, como qualquer outra técnica de teste de laboratório, pode ser extremamente confiável, desde que todas as variáveis envolvidas sejam controladas e compreendidas. Vários fatores afetam os resultados dos testes de radiocarbono, nem todos são fáceis de controlar objetivamente. Por esse motivo, é preferível datar objetos usando vários métodos, em vez de depender de um único teste. A datação por carbono é confiável dentro de certos parâmetros, mas certamente não é infalível.

Ao testar um objeto usando a datação por radiocarbono, vários fatores devem ser considerados:

Primeiro, a datação por carbono só funciona em matéria que já esteve viva e só determina a data aproximada da morte dessa amostra. Por exemplo, uma ponta de lança de aço não pode ser datada por carbono, então os arqueólogos podem realizar testes no eixo da madeira ao qual foi anexada. Isso fornece boas informações, mas apenas indica há quanto tempo aquele pedaço de madeira foi cortado de uma árvore viva. A datação por radiocarbono não pode dizer a diferença entre a madeira que foi cortada e imediatamente usada para a lança e a madeira que foi cortada anos antes de ser reutilizada para esse fim. Tampouco pode dizer se uma ponta de lança muito mais antiga estava presa a um eixo novinho em folha.

A maioria dos itens arqueológicos não pode ser datada diretamente por carbono, então sua datação é baseada em testes feitos em objetos ou materiais próximos. Isso torna os resultados sujeitos às suposições dos pesquisadores sobre esses objetos. Se a ponta da lança for datada usando ossos de animais próximos, a precisão dos resultados depende inteiramente da suposta ligação entre a ponta da lança e o animal. Este seja talvez o maior ponto de erro potencial, pois suposições sobre datação podem levar a um raciocínio circular ou a escolher resultados confirmatórios, em vez de aceitar uma data “errada”.

Em segundo lugar, a datação por radiocarbono torna-se mais difícil e menos precisa à medida que a amostra envelhece. Os corpos dos seres vivos geralmente têm concentrações do isótopo carbono-14, também conhecido como radiocarbono, idênticas às concentrações na atmosfera. Quando um organismo morre, ele para de receber novo carbono-14, e tudo o que está dentro se decompõe gradualmente em outros elementos. O carbono-14 normalmente compõe cerca de 1 trilionésimo (1/1.000.000.000.000) da atmosfera da Terra. Assim, mesmo amostras novinhas em folha contêm quantidades incrivelmente pequenas de radiocarbono.

Eventualmente, a quantidade de carbono-14 restante é tão pequena que é quase indetectável. Pequenas variações dentro de uma amostra específica tornam-se significativas o suficiente para distorcer os resultados ao ponto do absurdo. A datação por carbono, portanto, depende de técnicas de enriquecimento e aprimoramento para facilitar a detecção de quantidades menores, mas esse aprimoramento também pode distorcer os resultados do teste. Erros normais no teste são ampliados. Como resultado, a datação por carbono só é plausível para objetos com menos de 40.000 anos.

O outro fator importante que afeta os resultados da datação por carbono é medir a proporção original do próprio carbono-14. A datação por carbono é baseada na perda de carbono-14, portanto, mesmo que a quantidade presente em um espécime possa ser detectada com precisão, ainda devemos saber com quanto carbono-14 o organismo começou. Os cientistas devem supor quanto carbono-14 havia no organismo quando ele morreu. Para complicar as coisas, as concentrações de carbono-14 da Terra mudam drasticamente com base em vários fatores. À medida que as amostras envelhecem, os erros aumentam e as suposições podem tornar a datação por carbono praticamente inútil.

Por exemplo, variações nos efeitos de estufa e radiação solar alteram a quantidade de carbono-14 a que um organismo vivo está exposto, o que muda drasticamente o “ponto de partida” a partir do qual se baseia um teste de datação por radiocarbono. Da mesma forma, diferentes seres vivos absorvem ou rejeitam carbono-14 em taxas diferentes. Duas plantas que morreram no mesmo momento, mas que naturalmente continham diferentes níveis de radiocarbono, podem ser datadas em épocas drasticamente diferentes. Efeitos modernos, como queima de combustível fóssil e testes nucleares, também mudaram os níveis atmosféricos de carbono-14 e, por sua vez, mudam o “ponto de partida” para um teste de radiocarbono. Em suma, definir os parâmetros do teste de carbono-14 é mais uma arte do que uma ciência.

Contaminação e repetibilidade também são fatores que devem ser considerados na datação por carbono. Uma pequena quantidade de contaminação de carbono distorcerá muito os resultados do teste, portanto, a preparação da amostra é crítica. Mesmo assim, uma grande proporção de testes de datação por radiocarbono retornam resultados inconsistentes, ou mesmo incoerentes, mesmo para testes feitos na mesma amostra. A explicação dada para esses valores discrepantes é geralmente “contaminação”. Resultados inconsistentes são outra razão pela qual várias amostras, vários testes e vários métodos paralelos são usados para datar objetos.

Devido a todos esses fatores, é comum que os resultados de datação por carbono de uma determinada amostra, ou mesmo de um grupo de amostras, sejam rejeitados pelo único motivo de não corresponderem aos resultados “esperados”. Isso não é incomum na ciência, até onde vai, mas a relação entre suposições e interpretações deve ser mantida em mente. Na melhor das hipóteses, isso precisa ser reconhecido. Na pior das hipóteses, pode tornar a datação por carbono circular e autoconfirmada, embora existam outros meios de datação que possam reduzir esse risco.

Em suma, a datação por carbono é tão útil quanto qualquer outra técnica, desde que seja feita corretamente e os resultados sejam interpretados objetivamente. Não é, no entanto, um método inerentemente livre de erros ou em preto e branco para datar objetos.

English



Voltar à página principal em português

A datação por carbono é um método confiável de determinar a idade das coisas?
Assine a

Pergunta da Semana

Comparte esta página: Facebook icon Twitter icon Pinterest icon Email icon
© Copyright Got Questions Ministries