settings icon
share icon
Pergunta

É errado culpar a Deus? Culpar a Deus é pecado?

Resposta


Culpar a Deus é uma resposta comum quando a vida não segue o nosso caminho. Como Deus supostamente está no controle de tudo, assim se pensa, Ele poderia ter prevenido o que aconteceu. Ele poderia ter mudado a situação para me beneficiar; Ele poderia ter evitado a calamidade. Já que não o fez, Deus é o culpado.

Em certo sentido, essas afirmações são verdadeiras. Isaías 45:7 parece validar a ideia de que Deus é o culpado por tudo o que acontece: “Eu formo a luz e crio as trevas, promovo a paz e causo a desgraça; eu, o Senhor, faço todas essas coisas.” E Isaías 46:9–11: “Lembrem-se das coisas passadas, das coisas muito antigas! Eu sou Deus, e não há nenhum outro; eu sou Deus, e não há nenhum como eu…. Digo: Meu propósito permanecerá em pé, e farei tudo o que me agrada…. O que eu disse, isso eu farei acontecer; o que planejei, isso farei.” Se Deus está disposto a assumir a responsabilidade por tudo, então é errado culpá-lO quando um desastre ou mágoa nos atinge?

A palavra culpa significa “encontrar defeitos”. Culpar vai além de reconhecer a soberania de Deus. Culpar a Deus implica que Ele errou, que há uma falha a ser encontrada nEle. Quando culpamos a Deus, nós nos tornamos Seu juiz e júri. Entretanto, meros seres humanos não têm o direito de julgar o Todo-Poderoso. Nós somos a Sua criação; Ele não é a nossa: “Ai daquele que contende com seu Criador, daquele que não passa de um caco entre os cacos no chão. Acaso o barro pode dizer ao oleiro: ‘O que você está fazendo?’ Será que a obra que você faz pode dizer: ‘Você não tem mãos?’ Ai daquele que diz a seu pai: ‘O que você gerou?’, ou à sua mãe: ‘O que você deu à luz?’” (Isaías 45:9-10).

Para ajudar a evitar culpar a Deus, devemos primeiro entender por que a mágoa e a dor fazem parte de nossas vidas. O pecado está na raiz de todo ato duro e maligno. Deus não projetou o corpo ou a alma humana para viver em um mundo pecaminoso. Fomos criados perfeitamente para habitar em um mundo perfeito (Gênesis 1-2). Mas o pecado de Adão trouxe devastação e desastre ao mundo perfeito de Deus. Furacões, tornados, terremotos, secas – em última análise, todos os desastres naturais estão aqui por causa do pecado (Gênesis 3:17-19). Nossas próprias escolhas pecaminosas criam um efeito cascata que ecoa por toda a nossa vida. E o pecado dos outros também nos afeta. Os problemas terrenos são um lembrete de que o pecado tem consequências terríveis, então, antes de culparmos a Deus por uma crise, devemos examinar nossas próprias vidas e ser honestos sobre as escolhas que poderiam ter levado a ela.

Em segundo lugar, precisamos examinar o nosso próprio relacionamento com Deus. É intrigante que muitas pessoas que nunca pensam em Deus enquanto fazem suas próprias coisas se tornam muito religiosas quando ocorre um desastre. Elas vivem para si mesmas 99% do tempo, como se Deus não existisse. Mas então a tragédia acontece e, de repente, é culpa de Deus. Isso não é apenas irracional, mas é um insulto ao Criador, que já nos deu tudo de que precisamos para termos um relacionamento com Ele.

É claro que ter um relacionamento correto com o Senhor não nos isenta de sofrer terríveis mágoas. O que fazemos quando o desastre nos atinge? Muitas vezes, os cristãos são tentados a culpar a Deus quando o sofrimento vem. Temos a tendência de seguir o conselho da esposa de Jó ao marido sofredor: “Amaldiçoe a Deus e morra!” (Jó 2:9).

Em vez de culpar a Deus, os cristãos podem correr para Ele em busca de conforto (Provérbios 18:10; Salmo 34:18). Os cristãos têm uma promessa que o mundo incrédulo não pode reivindicar. Romanos 8:28 diz: “Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito.” Alguns citam este versículo e param depois da palavra bem, mas isso é um mau uso das Escrituras. Deus colocou dois qualificadores após esta promessa que definem seus limites: a promessa é “para o bem daqueles que o amam” e para aqueles “chamados de acordo com o seu propósito”.

Em vez de culpar a Deus, aqueles que O amam podem enfrentar a tragédia com a certeza de que nada pode atingi-los que Deus não tenha permitido por uma razão boa e amorosa. Ele permite coisas difíceis, até mesmo sofrimento e morte, para os Seus propósitos mais elevados. Quando desejamos a vontade de Deus para as nossas vidas, priorizando-a sobre a nossa própria vontade, Ele não desperdiça nada. Nenhum sofrimento, mágoa, perda ou dor é desperdiçado na vida do próprio povo de Deus. Ele transforma a nossa dor e perda em uma plataforma para o futuro ministério. Ele usa as dificuldades para nos fortalecer, dando-nos maiores oportunidades de acumular tesouros no céu do que teríamos sem a dor (Mateus 6:20). Em vez de culpar a Deus, damos “graças constantemente a Deus Pai por todas as coisas” (Efésios 5:20; 1 Tessalonicenses 5:18).

Reconhecemos que Deus pode intervir em qualquer situação; quando Ele não intervém, e a tragédia acontece, devemos parar de culpá-lO pelo erro. Em tudo o que Jó sofreu, “Jó não pecou e não culpou a Deus de coisa alguma” (Jó 1:22). Em vez de culpar a Deus, que havia permitido uma perda tão esmagadora, Jó disse: “Embora ele me mate, ainda assim esperarei nele” (Jó 13:15). Deus honrou a resposta de Jó e o abençoou poderosamente depois que passou no teste. Deus quer nos abençoar também com maior compreensão, devoção mais profunda e recompensa eterna que nunca poderão ser tiradas. Quando somos tentados a culpar a Deus, podemos escolher a resposta de Jó e confiar que Ele sabe o que está fazendo (veja Salmo 131).

English



Voltar à página principal em português

É errado culpar a Deus? Culpar a Deus é pecado?
Assine a

Pergunta da Semana

Comparte esta página: Facebook icon Twitter icon Pinterest icon Email icon
© Copyright Got Questions Ministries