Deve um cristão usar um cartão de crédito?


Pergunta: "Deve um cristão usar um cartão de crédito?"

Resposta:
Os vales de crédito de alguma forma têm existido desde o século XIX, mas em uma capacidade privada limitada. Os cartões de crédito de plástico como os conhecemos só têm sido usados desde a década de 1960. Em 1946, um banqueiro chamado John Biggins inventou um cartão bancário chamado "Charg-It", mas só era usado localmente por meio de seu banco. Em 1950, o Diners Club apresentou um cartão que se tornou o primeiro cartão de crédito com uso generalizado. A partir de então, outros bancos e instituições de crédito juntaram-se à multidão daqueles que queriam emprestar dinheiro com juros. Cartões de crédito podem ajudar alguém a sobreviver durante períodos de estresse financeiro, mas também podem criar dívidas incontroláveis se não forem usados com cuidado. Visto que, para um cristão, Deus deve estar no controle de todas as áreas da vida, inclusive das finanças, deve um cristão ter um cartão de crédito?

Se um cristão deve ou não possuir ou usar cartões de crédito depende do autocontrole, da sabedoria e da compreensão do poder que os cartões de crédito têm de nos possuir. Um grande problema com as instituições de crédito e empresas de cartão de crédito é que fazem muito de sua riqueza de pessoas com hábitos imprudentes e daqueles muito pobres para pagar suas dívidas. Quando Deus deu a Sua lei aos israelitas, Ele especificou que não deviam emprestar dinheiro com juros a seus compatriotas (Levítico 25:36; Êxodo 22:25). A proibição não era contra a cobrança de juros a qualquer pessoa a quem pudessem emprestar dinheiro, mas sim contra cobrar juros exorbitantes a outros israelitas que não podiam pagar. Em contraste, o Salmo 15:5 descreve a pessoa que habita na presença de Deus como alguém que, entre outras coisas, “não empresta o seu dinheiro com usura.”

Muitas pessoas descobriram que não podem confiar em si mesmas com cartões de crédito. Elas tendem a vê-los como "dinheiro grátis", já que a fatura não vem por semanas, e mesmo assim é necessário apenas um pagamento mínimo. Elas podem ter um barco de US $ 2.000 hoje e pagar apenas algumas centenas de dólares de cada vez ao longo de vários meses. O que não querem pensar é que o novo barco de US $ 2 mil se tornará um barco usado de US $ 4 mil quando finalmente terminarem de pagar a dívida, se fizerem apenas o pagamento mínimo a cada mês. Desperdiçar dinheiro em juros não é uma boa administração dos recursos que Deus nos confiou (ver 1 Timóteo 6:10; Provérbios 22:7). Gastos sábios significam que nos esforçamos para viver abaixo de nossas condições de modo que sempre teremos dinheiro para emergências e o suficiente para compartilhar com os necessitados.

Ganhar juros com nossos investimentos, em vez de pagar juros nos nossos gastos, é uma maneira inteligente de lidar com dinheiro. Em Mateus 25, Jesus dá o exemplo de três servos, dois dos quais investiram o que o mestre lhes havia confiado e duplicaram a soma inicial. O terceiro servidor, no entanto, não investiu. No verso 27, o mestre lhe diz: “Cumpria, portanto, que entregasses o meu dinheiro aos banqueiros, e eu, ao voltar, receberia com juros o que é meu.”

Cartões de crédito não são maus em si mesmos. Eles podem ser benéficos, convenientes e até econômicos para a pessoa que sabe usá-los com sabedoria. Quando temos controle de nossas finanças, em vez de nossas finanças nos controlarem, não fazemos ídolos das coisas que podemos comprar. Nem usamos nosso dinheiro para controlar outras pessoas. Usuários sábios de cartão de crédito evitam os juros exorbitantes sobre suas compras quando pagam o saldo total no cartão ao final de cada ciclo de faturamento.

Quando vemos os cartões de crédito como dinheiro, ficamos no controle de nossos gastos. Não botamos no cartão o que não podemos pagar e, portanto, não acabamos com um choque impressionante quando a fatura chega. Usar o cartão apenas para o que podemos pagar nos ajuda a obedecer Hebreus 13:5: “Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes...” Quando recusamos a atração de gastar a crédito, aprendemos a praticar o contentamento (1 Timóteo 6:6). Através do contentamento, desenvolvemos um caráter piedoso e vemos nossas finanças como uma maneira de abençoar os outros e honrar a Deus (Salmos 37:26; Provérbios 11:24-25; 2 Coríntios 9:7).

English
Voltar à página principal em português

Deve um cristão usar um cartão de crédito?

Assine a pergunta da semana