Como deve um cristão reagir ao bullying?


Pergunta: "Como deve um cristão reagir ao bullying?"

Resposta:
A Bíblia não fala especificamente sobre bullies ou bullying, mas existem muitos princípios bíblicos que se aplicam ao assunto. Primeiro, é importante entender o que é o bullying. Uma definição simples seria "usar força ou poder superior para intimidar as pessoas". Os bullies são aqueles que atacam as pessoas que eles consideram mais fracas e as ameaçam com danos, ou realmente as machucam, a fim de conseguirem o que querem. Obviamente, o bullying não é piedoso. Os cristãos são chamados a amar os outros e a cuidar daqueles que são mais fracos, não a intimidar ou manipular as pessoas (Tiago 1:27; 1 João 3:17–18; Gálatas 6:9–10). É evidente que os cristãos não devem ser bullies, mas como devem reagir ao bullying?

De forma geral, existem duas situações em que um cristão possa precisar responder ao bullying: quando for vítima de bullying ou quando for uma testemunha. Quando sendo intimidado, uma resposta correta pode ser dar a outra face, ou pode ser a autodefesa. Quando Jesus falou de "dar a outra face" em Mateus 5:38-42, Ele nos ensinou a abster-nos de retaliar a menosprezos pessoais. A ideia não é devolver um insulto com um insulto. Quando alguém verbalmente nos abusa, não devemos responder a sua afronta com nossos próprios insultos. Quando alguém tenta afirmar sua posição de poder para nos intimidar ou nos forçar a um certo comportamento, podemos resistir à sua manipulação sem sermos manipulativos em troca. Em suma, intimidar um bully não é bíblico e, francamente, não é útil. É, no entanto, aconselhável denunciar o agressor às autoridades competentes. Não é errado que uma criança na escola alerte o seu professor sobre os bullies. Não é errado que uma pessoa relate um trapaceiro à polícia. Tais ações podem ajudar a impedir que o agressor prejudique os outros. Mesmo quando não retaliamos em um nível pessoal, ainda podemos utilizar sistemas sociais de justiça.

Em outros casos, particularmente se o bullying for físico, a autodefesa pode ser apropriada. A Bíblia não defende o pacifismo total. As instruções de Deus para Israel em Êxodo 22 e a instrução de Jesus a Seus discípulos para obter uma espada em Lucas 22 são informativas. Os cristãos devem ser amorosos e perdoadores, mas não permissivos do mal.

Quando um cristão observa o bullying, pode ser apropadocariado intervir e ajudar a evitar o ataque contra a vítima. Cada situação será diferente, e muitas vezes entrar em cena irá aumentar o problema, mas muitas vezes é preciso apenas que uma pessoa se erga a favor de outra mais fraca a fim de parar o bullying e impedi-lo no futuro. Certamente, um cristão poderia conversar com uma vítima de bullying após o incidente e ajudá-la com quaisquer necessidades, inclusive com a assistência na notificação do incidente.

A sabedoria de Deus é necessária em todos os casos de confrontação do bullying. Aqueles que seguem a Cristo têm o Espírito Santo vivendo dentro deles. Ele nos ajuda a entender a Palavra de Deus e pode nos guiar e nos equipar para obedecer a Deus em qualquer situação em que nos encontrarmos.

Também precisamos considerar nossos pensamentos e atitudes em relação aos agressores. É fácil demonizar os bullies e pensar neles como pessoas odiosas. Contudo, esta não é uma atitude piedosa. Todo ser humano nasce pecador e todos nós precisamos de salvação em Jesus (Romanos 3:23; 6:23). No mínimo, devemos orar para que o bully tenha uma mudança de coração e conheça a salvação de Deus (1 Timóteo 2:1–4). Muitas vezes, no entanto, os bullies agem da maneira que fazem por conta de sua própria dor. Talvez tenham sido vítimas de bullying no passado. Talvez se sintam inseguros, e a única maneira de se sentirem aceitáveis para si mesmos é menosprezando os outros. Podemos ter empatia com sua mágoa e estender-lhes a compaixão, o amor e a graça de Deus, ao mesmo tempo também mantendo limites sólidos para lidar com o seu comportamento errado. Quer o bullying seja motivado por mágoas passadas ou simplesmente pela natureza pecaminosa, Deus é aquele que pode trazer cura, restauração e mudança. É sempre apropriado orar pelos agressores e suas vítimas. Da mesma forma, quando somos vítimas de bullying, podemos ir a Deus com a nossa mágoa e buscar a Sua segurança e cura.

Romanos 12:17-21 diz: "Não torneis a ninguém mal por mal; esforçai-vos por fazer o bem perante todos os homens; se possível, quanto depender de vós, tende paz com todos os homens; não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira; porque está escrito: A mim me pertence a vingança; eu é que retribuirei, diz o Senhor. Pelo contrário, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas vivas sobre a sua cabeça. Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem."

Deus nos mostrou uma incrível misericórdia. Devemos mostrar isso a outras pessoas através da maneira como nos comportamos - não intimidando, defendendo os fracos, estando dispostos a perdoar, evitando o bullying da melhor maneira possível por meio dos canais sociais apropriados e orando por aqueles que intimidam e são intimidados. O amor e a graça de Deus são suficientes para curar todas as feridas.

English
Voltar à página principal em português

Como deve um cristão reagir ao bullying?

Assine a pergunta da semana