O aborto é assassinato?



 

Pergunta: "O aborto é assassinato?"

Resposta:
O assunto do aborto talvez seja uma das questões mais debatidas do nosso dia. Encontrar uma resposta honesta à questão "o aborto é assassinato?" leva coragem para aqueles que já realizaram ou tiveram abortos. A Bíblia é clara sobre o fato de que o assassinato é errado (Êxodo 20:13). No entanto, em alguns casos, a Bíblia não proíbe matar. Os soldados que representam seu país devem matar soldados do lado oposto (Josué 11:20). Isso não é assassinato. Animais eram mortos por comida e por sacrifício (Êxodo 24:5, Gênesis 9:3-4). Isso também não é assassinato.

O assassinato é definido como "a matança ilegal e premeditada de um ser humano por outro". O assassinato é uma matança ilegal - isto é, matança feita como resultado do julgamento de um ser humano contra outro, por razões pessoais (e não nacionais). A Bíblia condena o assassinato repetidamente como característica de uma sociedade perversa (Deuteronômio 5:17, Isaías 1:21, Oseias 4:2, Mateus 5:21). Determinar se o aborto é ou não assassinato envolve duas considerações: primeiro, se um feto no útero é realmente um ser humano. Em segundo lugar, se um feto for, de fato, uma criança, então precisamos ver se o aborto pode ser chamado de assassinato, uma vez que é legalmente permitido em muitos países. Se o assassinato é uma matança ilegal, seria de se esperar que um assassinato legal não fosse assassinato.

Uma razão por trás da proibição do assassinato é que não é ético que uma pessoa decida unilateralmente o destino de outra pessoa. De acordo com a Lei do Antigo Testamento, um assassino não podia ser morto a menos que existissem várias testemunhas: "uma só testemunha não deporá contra alguém para que morra" (Números 35:30). Na guerra, os soldados não decidem matar para alcançar seus próprios fins, mas matam por obediência a um interesse nacional - se lutam por um país de honra, então o interesse nacional será proteger civis inocentes de alguma ameaça. O aborto é diferente. O aborto é matar com base no julgamento e na escolha unilateral de uma mãe – o que define o ato como assassinato. No entanto, se o feto ainda não é humano - se o feto for apenas uma massa de tecido impessoal ou um animal – então dar fim à sua vida não seria considerado um assassinato.

Então, um feto é um humano? Ou é outra coisa? Biologicamente falando, a vida humana começa na concepção. Quando o ovo da mãe e o esperma do pai se juntam, eles se combinam e criam uma nova série de DNA totalmente personalizada e única. O DNA é uma informação codificada, um plano para o crescimento e desenvolvimento do novo ser humano. Não é necessário adicionar mais material genético. O zigoto no útero é tão humano quanto a mãe em quem mora. A diferença entre um feto e qualquer um de nós é a idade, localização e nível de dependência. Quando uma mãe aborta o processo de desenvolvimento fetal, ela está destruindo uma vida única.

A Bíblia claramente aponta para a concepção como o início da vida humana. Sansão disse: "sou nazireu de Deus, desde o ventre de minha mãe" (Juízes 16:17). Ele se refere ao seu eu ainda não nascido como tendo sido o que Deus planejou que fosse - um nazireu. Davi diz: "Pois tu formaste o meu interior, tu me teceste no seio de minha mãe" (Salmo 139:13). Novamente, vemos Davi se referindo a si mesmo como uma pessoa no útero. Então, ele diz: "Os teus olhos me viram a substância ainda informe, e no teu livro foram escritos todos os meus dias, cada um deles escrito e determinado, quando nem um deles havia ainda" (Salmo 139:16). Davi está dizendo que Deus tinha planejado todos os seus dias enquanto ainda estava no útero. Novamente, essa evidência aponta para a personalidade começando na concepção, e não no momento do nascimento. Vemos que Deus tinha um plano semelhante para a vida do Jeremias ainda não nascido: "Antes que eu te formasse no ventre materno, eu te conheci, e, antes que saísses da madre, te consagrei, e te constituí profeta às nações" (Jeremias 1:5).

A Bíblia considera um feto como uma criança que ainda não nasceu, um ser humano planejado que Deus está formando a partir do momento da concepção. Sendo assim, não importa o que a jurisprudência humana diga ou quão politicamente e socialmente aceitável seja. A lei de Deus tem precedência. Uma mãe que decide abortar seu filho está decidindo unilateralmente acabar com a vida de outra pessoa - e isso é e sempre tem sido a definição de assassinato.


Voltar à página principal em português

O aborto é assassinato?