GotQuestions.org/Portugues




Pergunta: "Como o criacionismo explica os órgãos vestigiais?"

Resposta:
Nota: por simplicidade, este artigo usa os termos criado ou criacionismo em referência à criação especial e imediata de organismos em suas formas atuais, em oposição àqueles que se desenvolveram ao longo do tempo a partir de formas anteriores. Algumas formas de “criacionismo” envolvem tanto a intervenção divina quanto a microevolução, mas, por uma questão de brevidade, os termos são usados como descritos.

Se os animais foram criados e não evoluíram, por que têm órgãos vestigiais? Ou seja, por que Deus criaria um animal com partes de que não precisa? Alguns órgãos são chamados de “vestigiais” porque são considerados um “vestígio” – uma sobra – de uma forma evolutiva anterior. O termo vestigial implica uma falta de uso, propósito ou função. Exemplos comuns em seres humanos de órgãos “vestigiais” são o apêndice, o cóccix e os mamilos nos machos. Os críticos do criacionismo sugerem que estas são partes do corpo inúteis, ineficientes ou atrofiadas e são mais provavelmente o resultado da biologia anterior do que da criação especial.

A primeira questão a considerar é se os órgãos em questão são realmente vestigiais. Se um órgão tem uma função, então não é vestigial. Na verdade, estudar o suposto órgão vestigial frequentemente mostra que não é tão inútil, afinal.

Durante anos, o apêndice humano foi considerado o exemplo clássico de um órgão vestigial, ou pelo menos um design pobre. O apêndice às vezes é removido como resultado de inflamação ou tumores, sem efeitos colaterais perceptíveis. Isso, supostamente, é uma evidência de que o apêndice é um órgão supérfluo. No entanto, estudos mais recentes sugerem que o papel do apêndice é armazenar bactérias benéficas usadas para repovoar o sistema digestivo após uma doença. A remoção cirúrgica ainda é necessária em caso de infecção, mas o órgão não fica, de fato, sem um propósito no design do corpo.

Da mesma forma, a cultura pop tem muitas vezes considerado o cóccix como vestigial e inútil. Essa crítica raramente vem de cientistas reais, no entanto, uma vez que o cóccix serve como ponto de conexão para vários tendões e músculos. Também estabiliza o corpo quando uma pessoa está em uma posição sentada ereta. Seu nome científico é cóccix, mas, devido a sua localização, supõe-se que seja um remanescente da cauda de um ancestral. Entretanto, o cóccix está longe de ser inútil, e seria difícil viver sem ele.

Se o órgão “vestigial” parece não servir a nenhum benefício real, a próxima questão é se há ou não alguma razão convincente para incluí-lo como parte da estrutura do corpo. Os críticos do criacionismo às vezes apontam para a presença de mamilos nos machos como algo sem sentido sob a criação especial. Os machos não fornecem leite, então por que teriam órgãos vulneráveis que não servem para nada? A resposta mais razoável para isso é, de fato, maior eficiência.

Ao comprar um carro, muitas vezes existem vários modelos diferentes disponíveis. A um custo maior, melhores recursos podem ser adicionados. Esses recursos às vezes adicionam interruptores, botões ou indicadores ao painel interno. No entanto, seria muito caro e um desperdício para as fábricas de automóveis criar um painel exclusivo para cada conjunto de opções. Isso exigiria um conjunto completamente diferente de ferramentas, máquinas e peças para cada versão, sem mencionar registros e controles de qualidade adicionais. Em vez disso, o uso mais eficiente do maquinário é fazer um único painel para cada carro, e aqueles sem as opções mais sofisticadas simplesmente terão os buracos desnecessários cobertos com tampas.

No sentido biológico, é por isso que os machos ainda teriam mamilos, assumindo o criacionismo. A “máquina” que cria o corpo do organismo, o DNA, não precisa da complicação adicional de designs de peito completamente diferentes para machos e fêmeas. É mais eficiente, menos complicado e menos propenso a erros genéticos simplesmente ter um único “modelo” para ambos os sexos, embora apenas um tenha uma função real para esses órgãos. O que parece um desperdício é, na verdade, biologicamente mais eficiente do que órgãos personalizados para os dois sexos.

Muitos dos órgãos que agora sabemos serem úteis já foram considerados inúteis pelas gerações anteriores. E algumas características fazem sentido do ponto de vista de um código genético simplificado. Em geral, essas duas considerações explicam a existência de órgãos vestigiais, do ponto de vista da criação especial. Conhecendo a sabedoria de Deus, sabemos que há algum propósito para essas características, quer entendamos completamente ou não (veja Salmos 139:14).

© Copyright Got Questions Ministries