GotQuestions.org/Portugues




Pergunta: "O que é o Evangelho de Pedro?"

Resposta:
O Evangelho de Pedro é uma obra pseudoepígrafa que pretende ter sido escrita por Pedro, mas na verdade relata uma falsa visão de Jesus Cristo. O Evangelho de Pedro contém 60 versículos e trata de eventos que envolveram o fim da vida de Jesus. Acredita-se que o original tenha sido escrito cerca de 150 d.C., embora o manuscrito mais antigo existente seja do século 8 ou 9.

A primeira menção do Evangelho de Pedro foi feita pelo Bispo Serapião de Antioquia (cerca de 200 d.C.) em uma carta intitulada "A respeito do que é conhecido como o Evangelho de Pedro." Nesta carta, Serapião aconselhou os líderes da igreja a não lerem o assim chamado Evangelho para suas congregações por causa de seu conteúdo docético. Ele também condenou o Evangelho de Pedro como uma falsificação.

O que é docetismo? Uma forma de docetismo (marcionismo) afirmava que Cristo era tão divino que não poderia ter sido humano. Ele apenas parecia ser feito de carne e sangue, Seu corpo sendo um fantasma. Outros grupos sustentaram que, enquanto Jesus era um homem na carne, Cristo era uma entidade separada que entrou no corpo de Jesus na forma de uma pomba em Seu batismo, capacitando-O para realizar milagres. A “entidade de Cristo” então abandonou Jesus na cruz. O docetismo foi rejeitado inequivocamente no Primeiro Concílio de Niceia em 325 d.C. e é considerado herético tanto pelos católicos quanto pelos protestantes. O docetismo morreu em grande parte durante o primeiro milênio.

O Evangelho de Pedro diz que na cruz Jesus clamou: "Meu poder, meu poder, me desamparaste", em vez de "Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?" (Marcos 15:34). No relato da crucificação, o Evangelho de Pedro evita cuidadosamente dizer que Jesus morreu, afirmando em vez disso que Ele "foi arrebatado". Esta ideia de escapar da morte real é espelhada no Alcorão, Sura 4:157-158: "Deus fê-lo ascender até Ele." O Evangelho de Pedro sugere que Cristo foi “elevado” à Presença Divina no momento em que Seu poder divino deixou Sua concha corporal, a qual havia sido apenas uma residência temporária. Esse ensino, junto com a afirmação de que Jesus “permaneceu em silêncio, como se não sentisse dor” na cruz, destaca o erro do docetismo.

Outra maneira pela qual o Evangelho de Pedro difere dos Evangelhos de Mateus, Marcos, Lucas e João é a descrição dos eventos depois que o corpo de Jesus foi colocado na tumba. O Evangelho de Pedro diz que os guardas “viram os céus abertos e dois homens que desciam, tendo à sua volta um grande resplendor, e aproximaram-se do sepulcro... E, estando eles explicando o que acabara de acontecer, viram três homens que saíram do sepulcro, dois dos quais servindo de apoio a um terceiro, e uma cruz que ia atrás deles. E a cabeça dos dois primeiros chegava até o céu, enquanto que a daquele que era conduzido por eles ultrapassava os céus. E ouviram uma voz vinda dos céus que dizia: ‘pregaste para os que dormem?’ E da cruz fez-se ouvir uma resposta: ‘Sim’”. Esta passagem tem algumas inclinações gnósticas.

Aqui estão alguns dos principais problemas com o Evangelho de Pedro:

A crucificação ocorre em Roma, não em Jerusalém.

José de Arimateia é conhecido como amigo pessoal de Pôncio Pilatos.

Pôncio Pilatos é exonerado de qualquer responsabilidade. Herodes Antipas toma o lugar dele, assumindo a responsabilidade que, no Evangelho de Lucas, Herodes se recusa a aceitar.

Jesus é “tirado” da cruz e Sua morte não é mencionada.

Dois seres sobrenaturais entram na tumba e três emergem.

A cruz é descrita como flutuando para fora da tumba e dizendo “Sim” a uma voz do céu.

Não há menção de testemunhas que viram Jesus vivo depois que de ter sido arrastado para fora do túmulo.

E se isso não bastasse para lançar dúvidas sobre a veracidade do Evangelho de Pedro, também temos o testemunho de Eusébio. O historiador fez referência ao Evangelho de Pedro em seus escritos, afirmando que Apolo era o deus originalmente mencionado no Evangelho de Pedro, não Jesus Cristo. Eusébio disse que o nome de Jesus Cristo foi escrito por cima do nome de Apolo.

O Evangelho de Pedro discorda dos quatro Evangelhos canônicos em áreas de vital importância, incluindo a morte física e a ressurreição corporal de nosso Senhor e Salvador.