GotQuestions.org/Portugues




Pergunta: "O que a Bíblia diz sobre a vergonha e o arrependimento?"

Resposta:
Todos experimentam uma certa vergonha e arrependimento pelos pecados cometidos no passado. A Bíblia tem muito a dizer sobre a vergonha e o arrependimento, e há numerosos exemplos de pessoas na Bíblia que experimentaram esses sentimentos negativos.

Você pode imaginar a vergonha e arrependimento com os quais Adão e Eva viveram depois de terem pecado? Eles estragaram a criação perfeita que Deus havia feito. Adão e Eva estavam em um mundo perfeito, tinham mentes e corpos perfeitos e desfrutaram de uma comunhão perfeitamente próxima com Deus. Quando escolheram pecar contra Deus, toda a Sua criação foi sujeita aos efeitos do pecado, ou seja, à doença, decadência, morte e separação de Deus pela eternidade. Desde então, todo ser humano tem nascido com uma natureza pecaminosa - a inclinação natural ao pecado. Felizmente, Deus é soberano, e tinha um plano desde então para redimir o Seu mundo através do Seu Filho, Jesus Cristo, e dar à humanidade uma escolha pela salvação e vida eterna com Ele. Mas Adão e Eva devem ter vivido suas vidas na Terra com muito pesar pela perda de sua inocência e suas bênçãos associadas. Sabemos que se envergonharam de sua nudez (Gênesis 3:10). Eles devem ter vivido o resto de suas vidas em arrependimento - afinal, lembravam-se do paraíso.

Outro exemplo bíblico de vergonha e arrependimento é a experiência do apóstolo Pedro. João 13:37–38 descreve a noite da traição de Cristo. Logo após a refeição da Páscoa, Pedro diz a Jesus que daria a vida pelo seu Senhor. Jesus responde dizendo que naquela mesma noite Pedro negaria três vezes que sequer conhecia o Senhor. Mais tarde naquela noite, com medo de perder a própria vida, Pedro negou conhecer Jesus (João 18:15–27; Mateus 26:31–35, 69–75). Depois da negação de Cristo por Pedro, “saindo dali, chorou amargamente” (Lucas 22:62). Mais tarde, Pedro foi restaurado e cresceu em sua fé, tornando-se um dos fundadores da igreja primitiva. Pedro realmente passou a “fortalecer os seus irmãos” depois de ser perdoado, assim como Jesus predisse (Lucas 22:32). Enquanto Pedro deve ter vivido com muita vergonha e arrependimento por sua negação pública de Cristo, sua compreensão aprofundada da pessoa e obra de Cristo venceu seus sentimentos de fracasso. Ele percebeu que foi perdoado pela graça de Deus e passou do seu pesar pessoal a alimentar as ovelhas de Jesus (João 21:17).

A Bíblia nos ensina que, quando confessamos nossos pecados e temos fé no sacrifício e ressurreição de Cristo, nos tornamos filhos de Deus (João 1:12). Somos purificados de toda a nossa injustiça (Colossenses 1:15-22) e nossa salvação é eternamente segura (João 10:27–30; Hebreus 7:24–25). À medida que crescemos espiritualmente ao passarmos tempo com Deus diariamente em oração e lendo a Sua Palavra, nos encontramos amando e confiando nEle mais. Confiamos que Deus nos separou de nossos pecados tanto quanto o oriente é do ocidente (Salmos 103:12). Sim, nos arrependemos de nossos erros do passado, mas esse não é o nosso foco. Mantemos nossos olhos em Jesus, o Autor e Consumador de nossa fé (Hebreus 12:2). Paulo colocou desta forma: “Irmãos, quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado; mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus” (Filipenses 3:13–14). Vergonha e arrependimento fazem parte do que está para trás. Precisamos aprender a esquecer.

Romanos 8:1 é um grande consolo para qualquer crente que lute com as sobras de vergonha e arrependimento: “Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus.” Somos pecadores, mas somos justificados. Temos um passado vergonhoso, mas temos um futuro melhor. Costumávamos andar em loucura e rebelião, mas agora andamos em novidade de vida (Tito 3:3–7; Romanos 6:4). Deus perdoou os pecados dos quais nos sentimos envergonhados e arrependidos. Podemos seguir em frente. “Estou crucificado com Cristo; logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim” (Gálatas 2:20).