iption" property="og:description" content="O que é o hadith no Is
settings icon
share icon
Pergunta

O que é o Judaísmo Reformista?

Resposta


O Judaísmo é a religião tradicional dos judeus, embora nem todos os judeus a pratiquem. O Judaísmo Moderno tem três “ramos” principais: Ortodoxo (tradicional), Reformista (também conhecido como Liberal ou Progressista na Europa) e Conservador (que traça um curso entre os outros dois). A maioria das sinagogas é designada por um dos títulos das filiais, semelhante à forma como as igrejas usam um nome denominacional.

O Judaísmo Reformista se descreve da seguinte forma: “Ao longo da história, os judeus permaneceram firmemente enraizados na tradição judaica, mesmo quando aprendemos muito com nossos encontros com outras culturas. No entanto, desde seus primeiros dias, o Judaísmo Reformista tem afirmado que um Judaísmo congelado no tempo não pode coexistir efetivamente com aqueles que vivem nos tempos modernos. A grande contribuição do Judaísmo Reformista é que ele permitiu ao povo judeu introduzir inovação enquanto preserva a tradição, abraçar a diversidade enquanto afirma a comunhão, afirmar crenças sem rejeitar aqueles que duvidam e trazer fé aos textos sagrados sem sacrificar a erudição crítica” https://reformjudaism.org/what-reform-judaism, acessado em 09/11/18).

O desenvolvimento do Judaísmo Reformista é um tanto paralelo ao desenvolvimento do Cristianismo liberal. Com as mudanças científicas e filosóficas na cultura e no ensino superior geradas pelo Iluminismo, o elemento sobrenatural na religião e o conceito de autoridade divina foram gradualmente substituídos pela supremacia da razão humana. Muitos judeus começaram a rejeitar a halachá e a Bíblia, embora ainda valorizassem muitas das éticas e princípios nelas encontrados. A maioria das cerimônias e rituais que tinham sido centrais para o Judaísmo foi rejeitada como mera superstição.

Hoje, o Judaísmo Reformista valoriza mais fazer o bem para a família e para a humanidade. A ideia de um Messias pessoal foi substituída pela ideia de uma era messiânica de boa vontade que será inaugurada pelo esforço humano. A doutrina da ressurreição dos mortos foi substituída pelo conceito de viver na memória dos descendentes e da sociedade por causa das boas obras que se realizou. Quanto à Bíblia, os judeus reformistas encontram muita sabedoria (e tendem a se concentrar) nos profetas por causa dos apelos desses livros por justiça social. Preocupações éticas e relacionamentos adequados com outros seres humanos são vistos como mais importantes do que cerimônias destinadas a levar alguém a uma posição correta diante de Deus (a ênfase da Torá). Por exemplo, a Páscoa é celebrada pelos judeus reformistas com ênfase na liberdade. No Yom Kippur (o Dia da Expiação), os judeus reformistas reconhecem a necessidade de serem perdoados por Deus, mas enfatizam o perdão e a busca do perdão de outros seres humanos.

Após os eventos do século XX, o Judaísmo Reformista também abraçou o Sionismo, que tinha sido inicialmente rejeitado. Nos anos mais recentes, o Judaísmo Reformista evoluiu para se tornar mais uma expressão individual da religião, em vez de um “movimento” unificado. Os adeptos escolhem os aspectos do Judaísmo que consideram significativos ou úteis enquanto rejeitam o resto. Muitos judeus reformistas vivem suas vidas diárias da mesma forma que seus amigos não judeus, sem se preocupar com os requisitos kosher. No final, a autoridade máxima no Judaísmo Reformista é o indivíduo. Como seria de esperar, o Judaísmo Reformista é mais forte na América do Norte, e aproximadamente um terço dos judeus nos Estados Unidos se identificam como reformistas.

English



Voltar à página principal em português

O que é o Judaísmo Reformista?
Assine a

Pergunta da Semana

Comparte esta página: Facebook icon Twitter icon YouTube icon Pinterest icon Email icon
© Copyright Got Questions Ministries