Quem era Baal?



 

Pergunta: "Quem era Baal?"

Resposta:
Baal era o nome do deus supremo adorado na antiga Canaã e Fenícia. A prática do culto a Baal infiltrou a vida religiosa judaica durante o tempo dos juízes (Juízes 3:7), tornou-se comum em Israel durante o reinado de Acabe (1 Reis 16:31-33) e também afetou Judá (2 Crônicas 28:1 -2). A palavra baal significa "senhor"; o plural é baalim. Em geral, Baal era um deus da fertilidade que, de acordo com a crença comum, permitia que a terra produzisse colheitas e pessoas produzissem crianças. Diferentes regiões adoravam Baal de diferentes maneiras, e ele provou ser um deus altamente adaptável. Várias localidades enfatizavam um ou outro de seus atributos e desenvolveram "denominações" especiais do Baalismo. Baal-Peor (Números 25:3) e Baal-Berite (Juízes 8:33) são dois exemplos de tais divindades localizadas.

Segundo a mitologia cananeia, Baal era o filho de El, o deus principal, e Asherah, a deusa do mar. Baal era considerado o mais poderoso de todos os deuses, eclipsando El, que era visto como bastante fraco e ineficaz. Em várias batalhas, Baal derrotou Yamm, o deus do mar, e Mot, o deus da morte e do submundo. As irmãs/consortes de Baal foram Ashtoreth, uma deusa da fertilidade associada com as estrelas, e Anate, a deusa do amor e da guerra. Os cananeus adoravam Baal como o deus do sol e como o deus da tempestade - ele geralmente é representado segurando um relâmpago - que derrotava inimigos e estimulava a colheita. Eles também o adoraram como um deus da fertilidade que providenciava crianças. O culto a Baal estava enraizado na sensualidade e envolvia prostituição ritualística nos templos. Às vezes, apaziguar Baal necessitava o sacrifício humano, geralmente o primogênito de quem fazia o sacrifício (Jeremias 19:5). Os sacerdotes de Baal apelavam ao seu deus em ritos de abandono selvagem que incluíam gritos de êxtase e ferimentos auto-infligidos (1 Reis 18:28).

Antes de os hebreus entrarem na Terra Prometida, o Senhor Deus os advertiu contra a adoração dos deuses de Canaã (Deuteronômio 6:14-15), mas Israel voltou-se à idolatria de qualquer maneira. Durante o reinado de Acabe e Jezabel, no auge do culto a Baal em Israel, Deus confrontou diretamente o paganismo por meio do Seu profeta Elias. Em primeiro lugar, Deus mostrou que Ele, não Baal, controlava a chuva através do envio de uma seca que durou três anos e meio (1 Reis 17:1). Então Elias convocou um confronto no Monte Carmelo para provar de uma vez por todas quem o Deus verdadeiro era. Durante todo o dia, 450 profetas de Baal pediram ao seu deus para enviar fogo do céu - certamente uma tarefa fácil para um deus associado com relâmpagos - mas "não houve voz, nem resposta, nem atenção alguma" (1 Reis 18:29). Após os profetas de Baal desistirem, Elias fez uma oração simples, e Deus respondeu imediatamente com fogo do céu. A prova foi esmagadora, e o povo "caiu de rosto em terra e disse: O SENHOR é Deus! O SENHOR é Deus!" (Versículo 39).

Em Mateus 12:27, Jesus chama Satanás de "Belzebu", ligando o diabo a Baal-Zebube, uma divindade filisteia (2 Reis 1:2). O Baal do Antigo Testamento era nada mais do que demônios disfarçados de deuses, e toda a idolatria é, em última análise, uma forma de adoração ao diabo (1 Coríntios 10:20).


Voltar à página principal em português

Quem era Baal?