O que é o Adventismo do Sétimo Dia e em que os adventistas do sétimo dia acreditam?


Pergunta: "O que é o Adventismo do Sétimo Dia e em que os adventistas do sétimo dia acreditam?"

Resposta:
O Adventismo do Sétimo Dia é uma facção do Cristianismo que acredita, entre outras coisas, que os cultos de adoração devem ser realizados no “sétimo dia” (no sábado) em vez de no domingo. Parece haver diferentes "graus" do Adventismo do Sétimo Dia. Alguns adventistas do sétimo dia acreditam de forma idêntica aos cristãos ortodoxos, com exceção de guardar o sábado. Outros adventistas, no entanto, vão muito mais longe na doutrina aberrante.

O Adventismo do Sétimo Dia tem suas raízes no Adventismo, um movimento do século XIX que antecipava a iminente aparição (ou advento) de Jesus Cristo. Os adventistas também eram chamados de mileritas porque seu grupo foi fundado por Guilherme Miller, um falso profeta que previu que Jesus voltaria em 1843 ou 1844. Quando a previsão de Miller sobre a segunda vinda de Cristo falhou, os mileritas debandaram em desânimo; esse evento ficou conhecido como "o Grande Desapontamento". No entanto, alguns seguidores de Miller alegaram ter visões para explicar a profecia fracassada. Em vez de vir à terra, Jesus havia entrado no templo celestial – sendo assim, eles alegaram que Miller estava certo, exceto que sua profecia tinha um cumprimento espiritual em vez de físico. Uma das profetas que acobertou Miller foi Ellen G. Harmon, de 17 anos, que teve a primeira das suas supostas 2.000 visões em uma reunião de oração logo após a desgraça de Miller. Com sua visão, Ellen logo se tornou um farol de esperança para os mileritas desiludidos. Ela uniu facções adventistas e tornou-se o guia espiritual de um novo grupo religioso.

Em 1846, Ellen casou-se com James White, um pregador adventista. Logo eles se convenceram de que observar o sábado era para todos os cristãos. Em 1847, Ellen G. White teve outra visão - esta confirmando sua nova crença de que guardar o sábado era uma doutrina primária. Os adventistas sob a influência de Ellen G. White tornaram-se Adventistas do Sétimo Dia. As muitas visões e escritos de Ellen G. White - ela era uma escritora prolífica - moldaram grandemente a doutrina do Adventismo do Sétimo Dia. Hoje, a maioria dos adventistas do sétimo dia ainda considera Ellen White uma profetisa de Deus, embora muitas de suas profecias não tenham se concretizado. De fato, os adventistas do sétimo dia consideram Apocalipse 19:10 (“Pois o testemunho de Jesus é o espírito da profecia”) como uma referência aos escritos de Ellen G. White.

Em 1855, os adventistas do sétimo dia se estabeleceram em Battle Creek, Michigan, nos Estados Unidos, e em maio de 1863 a Associação Geral dos Adventistas do Sétimo Dia foi oficialmente incorporada. Nas cinco décadas seguintes, Ellen G. White escreveu quase 10.000 páginas de material profético. Incluída nas visões estava a doutrina do "Grande Conflito", uma guerra cósmica travada entre Jesus e Seu exército angelical e Satanás e o seu. Outras visões lidavam com hábitos alimentares saudáveis, que a Sra. White chamou de “o evangelho da saúde” (Testemunhos Para a Igreja, vol. 6, p. 327, em inglês). O Adventismo do Sétimo Dia coloca restrições ao consumo de carne, ou “alimento cárneo,” como chamam. “A comida de carne é prejudicial à saúde, e seja o que for que afete ao corpo tem seu efeito correspondente na mente e na alma” (, A Ciência do Bom Viver, Capítulo 24: “A Carne como Alimento”, p. 315). Não é de surpreender que, depois de exigir a observância do sábado, os adventistas começaram a adicionar outros elementos do legalismo em seu credo.

Curiosamente, o cereal de milho da Kellogg foi uma criação adventista: John Harvey Kellogg era um médico adventista do sétimo dia em Battle Creek que queria fabricar uma alternativa vegetariana “saudável” para cafés da manhã “não saudáveis” que continham carne. Enquanto isso, a Sra. White continuou tendo visões, e ela começou a ensinar as doutrinas não ortodoxas do sono da alma e do aniquilacionismo (o que contradiz Mateus 25:46).

Outras doutrinas problemáticas no Adventismo do Sétimo Dia incluem o ensino de que Satanás é o “bode expiatório” e carregará os pecados dos crentes (O Grande Conflito, p. 422, 485 em inglês) - isso é o oposto do que a Bíblia diz sobre quem carregou os nossos pecados (1 Pedro 2:24). O Adventismo do Sétimo Dia também identifica Jesus como o arcanjo Miguel (Judas 1:9, Bíblia Palavra Clara, publicada pela Review and Herald Publishing Association, 1994) - uma doutrina que nega a verdadeira natureza de Cristo - e ensina que Jesus entrou numa segunda fase de Sua obra redentora em 22 de outubro de 1844, conforme profetizado por Hiram Edson. E, é claro, a promoção adventista da observância do sábado como doutrina primária vai contra o ensino da Escritura sobre o assunto (ver Romanos 14:5).

O Adventismo do Sétimo Dia é um movimento diverso, e nem todos os grupos adventistas do sétimo dia mantêm todas as doutrinas mencionadas acima. No entanto, todos os adventistas do sétimo dia devem considerar seriamente o seguinte: uma profetisa reconhecida em sua igreja foi uma mestre de doutrina aberrante, e sua igreja tem suas raízes nas profecias fracassadas de Guilherme Miller.

Sendo assim, deve um cristão frequentar uma Igreja Adventista do Sétimo Dia? Devido à propensão dos adventistas em aceitar a revelação extra-bíblica e às questões doutrinárias mencionadas acima, nós encorajamos fortemente os crentes a não se envolverem no Adventismo do Sétimo Dia. Sim, alguém pode ser um defensor do Adventismo do Sétimo Dia e ainda ser um crente. Ao mesmo tempo, há riscos potenciais suficientes para nos alertar contra a adesão a uma Igreja Adventista do Sétimo Dia.

English
Voltar à página principal em português

O que é o Adventismo do Sétimo Dia e em que os adventistas do sétimo dia acreditam?

Assine a pergunta da semana