Que é a verdade?



Pergunta: "Que é a verdade?"

Resposta:
Quase dois mil anos atrás, a Verdade foi levada a julgamento e condenada por pessoas que se dedicavam à mentira. De fato, a Verdade enfrentou seis julgamentos em menos de um dia, três dos quais eram religiosos, e três que eram legais. No final, poucas pessoas envolvidas nesses eventos poderiam responder à pergunta: "Que é a verdade?"

Depois de ser preso, a Verdade foi levada primeiro a um homem chamado Anás, um corrupto ex-sumo sacerdote dos judeus. Anás quebrou inúmeras leis judaicas durante o julgamento, incluindo a realização do julgamento em sua casa, tentar induzir auto-acusações contra o réu e bater no réu, o qual não havia sido condenado por nada até aquele momento. Depois de Anás, a Verdade foi levada ao reinante sumo sacerdote, Caifás, o qual era o genro de Anás. Diante de Caifás e do Sinédrio judaico, muitas testemunhas se prontificaram para testemunhar contra a Verdade, mas nada podia ser provado e nenhuma evidência de má conduta podia ser encontrada. Caifás quebrou pelo menos sete leis enquanto tentava condenar a Verdade: (1) o julgamento foi realizado em segredo; (2) foi realizado à noite, (3) envolveu suborno; (4) o réu não tinha ninguém presente para fazer uma defesa a seu favor; (5) a exigência de 2-3 testemunhas não podia ser cumprida; (6) usaram testemunho auto-incriminatório contra o réu, (7) condenou o réu à pena de morte no mesmo dia. Todas essas ações eram proibidas pela lei judaica. Independentemente disso, Caifás declarou a Verdade culpada porque a Verdade afirmou ser Deus na carne, algo que Caifás chamava de blasfêmia.

Ao amanhecer, o terceiro julgamento da Verdade ocorreu, resultando no Sinédrio judaico pronunciando que a Verdade devia morrer. No entanto, o conselho judaico não tinha o direito legal de executar a pena de morte, por isso foram obrigados a trazer a Verdade ao governador romano na época, um homem chamado Pôncio Pilatos. Pilatos foi nomeado por Tibério como o quinto prefeito da Judeia e serviu nessa capacidade entre 26-36 AD. O procurador tinha poder de vida e morte e poderia reverter sentenças capitais aprovadas pelo Sinédrio. Enquanto a Verdade estava diante de Pilatos, mais mentiras foram feitas contra Ele. Seus inimigos disseram: "Encontramos este homem pervertendo a nossa nação, vedando pagar tributo a César e afirmando ser ele o Cristo, o Rei" (Lucas 23:2). Isso foi uma mentira porque a Verdade tinha dito que todos pagassem os seus impostos (Mateus 22:21) e nunca falou de Si mesmo como um desafio para César.

Após isso, uma conversa muito interessante entre a Verdade e Pilatos ocorreu. “Tornou Pilatos a entrar no pretório, chamou Jesus e perguntou-lhe: És tu o rei dos judeus? Respondeu Jesus: Vem de ti mesmo esta pergunta ou to disseram outros a meu respeito? Replicou Pilatos: Porventura, sou judeu? A tua própria gente e os principais sacerdotes é que te entregaram a mim. Que fizeste? Respondeu Jesus: O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, os meus ministros se empenhariam por mim, para que não fosse eu entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui. Então, lhe disse Pilatos: Logo, tu és rei? Respondeu Jesus: Tu dizes que sou rei. Eu para isso nasci e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz. Perguntou-lhe Pilatos: Que é a verdade? Tendo dito isto, voltou aos judeus e lhes disse: Eu não acho nele crime algum” (João 18:33–38).

A pergunta de Pilatos: "Que é a verdade?" tem sido repercutida ao longo da história. Foi um desejo melancólico de saber o que mais ninguém podia lhe dizer, um insulto cínico ou talvez uma resposta irritada e indiferente às palavras de Jesus?

Em um mundo pós-moderno que nega que a verdade possa ser conhecida, a questão é mais importante do que nunca para responder. Que é a verdade?

Uma Proposta Definição da Verdade
Ao definir a verdade, é útil primeiramente observar o que ela não é:

• A verdade não é simplesmente qualquer coisa que funcione. Esta é a filosofia do pragmatismo - uma abordagem semelhante à de que o fim justifica o meio. Na realidade, a mentira pode até "dar certo", mas ainda é uma mentira e não a verdade.
• A verdade não é simplesmente o que é coerente ou compreensível. Um grupo de pessoas pode se reunir e formar uma conspiração com base em um conjunto de falsidades, onde todos concordam em contar a mesma história falsa, mas isso não torna a sua apresentação verdade.
• A verdade não é o que faz as pessoas se sentirem bem. Infelizmente, más notícias podem ser verdadeiras.
• A verdade não é o que a maioria diz ser verdade. Cinquenta e um por cento de um grupo pode chegar a uma conclusão errada.
• A verdade não é o que é abrangente. Uma apresentação longa e detalhada ainda pode resultar em uma falsa conclusão.
• A verdade não é definida pela intenção. Boas intenções ainda podem estar erradas.
• A verdade não é como nós sabemos, mas o que sabemos.
• A verdade não é simplesmente o que se acredita. Uma mentira acreditada ainda é uma mentira.
• A verdade não é o que se provou publicamente. Uma verdade pode ser conhecida em particular (por exemplo, a localização do tesouro enterrado).

A palavra grega para "verdade" é alētheia, que significa literalmente "des-esconder" ou "esconder nada." Ela transmite a ideia de que a verdade está sempre disponível, aberta e acessível para que todos a possam ver, sem nada sendo escondido ou obscuro A palavra hebraica para "verdade" é emeth, que significa "firmeza", "constância" e "duração". Tal definição implica uma substância eterna e algo em que se pode contar.

Do ponto de vista filosófico, há três maneiras simples de definir a verdade:

1. A verdade é o que corresponde à realidade.
2. A verdade é o que corresponde ao seu objeto.
3. A verdade é simplesmente dizer como realmente é.

Em primeiro lugar, a verdade corresponde à realidade ou "o que é." É real. A verdade também é de natureza correspondente. Em outras palavras, ela corresponde ao seu objeto e é conhecida pelo seu referente. Por exemplo, um professor diante de uma classe pode dizer: "A única saída desta sala é à direita." Para a classe que pode estar de frente para o professor, a porta de saída pode ser à sua esquerda, mas é absolutamente verdade que a porta, para o professor, é à direita.

A verdade também coincide com o seu objeto. Pode ser absolutamente verdade que uma determinada pessoa pode necessitar de tantos miligramas de um determinado medicamento, mas outra pessoa pode necessitar de mais ou menos do mesmo medicamento para produzir o efeito desejado. Isso não é verdade relativa, mas apenas um exemplo de como a verdade deve coincidir com o seu objeto. Seria errado (e potencialmente perigoso) que um paciente pedisse que o seu médico lhe desse uma quantidade inadequada de um determinado medicamento, ou dissesse que qualquer remédio serviria para a doença em questão.

Em suma, a verdade é simplesmente dizer como é; é a maneira como as coisas realmente são, e qualquer outro ponto de vista é errado. Um princípio fundamental da filosofia é ser capaz de discernir entre a verdade e o erro, ou como Tomás de Aquino observou: "É a tarefa do filósofo fazer distinções".

Desafios para a Verdade
As palavras de Aquino não são muito populares hoje em dia. Fazer distinções parece estar fora de moda em uma era pós-moderna do relativismo. É aceitável hoje dizer: "Isso é verdade", contanto que não seja seguido por "e, portanto, isso é falso." Isto é especialmente observável em questões de fé e religião, onde cada sistema de crenças é para ter a mesma quantidade de igualdade quando se trata da verdade.

Há uma série de filosofias e cosmovisões que desafiam o conceito de verdade, mas, quando cada uma é examinada criticamente, acaba sendo de natureza auto-destrutiva.

A filosofia do relativismo diz que toda verdade é relativa e que não existe tal coisa como verdade absoluta. Entretanto, é preciso perguntar: é a alegação de que "toda verdade é relativa" uma verdade relativa ou uma verdade absoluta? Se for uma verdade relativa, então realmente não tem nenhum sentido; como é que sabemos quando e onde se aplica? Se for uma verdade absoluta, então existe verdade absoluta. Além disso, o relativista trai a sua própria posição quando afirma que a posição do absolutista é errada - por que não podem aqueles que dizem que a verdade absoluta existe estar corretos também? Em essência, quando o relativista diz: "Não há nenhuma verdade", ele está pedindo para você não acreditar nele, e a melhor coisa a fazer é seguir o seu conselho.

Aqueles que seguem a filosofia do ceticismo simplesmente duvidam de toda a verdade. Entretanto, será que o cético é cético do ceticismo; ele duvida de sua própria afirmação sobre a verdade? Se sim, então por que prestar atenção ao ceticismo? Se não, então podemos ter certeza de pelo menos uma coisa (em outras palavras, a verdade absoluta existe) – o ceticismo, que, ironicamente, torna-se verdade absoluta nesse caso. O agnóstico diz que não se pode conhecer a verdade. No entanto, a mentalidade é auto-destrutiva porque afirma conhecer pelo menos uma verdade: que a verdade não pode ser conhecida.

Os discípulos do pós-modernismo simplesmente não afirmam nenhuma verdade em particular. O santo padroeiro do pós-modernismo, Frederick Nietzsche, descreveu a verdade assim: "Que é então a verdade? Um exército móvel de metáforas, metonímias e antropomorfismos ... verdades são ilusões ... moedas que perderam as suas fotos e agora importam apenas como metal, não mais como moedas." Ironicamente, embora o pós-modernista tenha moedas na mão que são agora "mero metal", ele afirma pelo menos uma verdade absoluta: a verdade de que nenhuma verdade deve ser afirmada. Como as outras cosmovisões, o pós-modernismo é auto-destrutivo e não pode resistir a sua própria afirmação.

Uma popular cosmovisão é o pluralismo, o qual diz que todas as alegações sobre a verdade são igualmente válidas. Claro que isso é impossível. Podem duas ações - uma que diz que uma mulher está grávida e outra que diz que ela não está grávida - ser ambas verdadeiras ao mesmo tempo? O pluralismo se despedaça aos pés da lei da não-contradição, que diz que algo não pode ser tanto "A" quanto "não-A" ao mesmo tempo e no mesmo sentido. Como um filósofo ironizou, quem acredita que a lei da não-contradição não é verdade (e, por padrão, o pluralismo é verdade) deve ser espancado e queimado até admitirem que ser espancado e queimado não é a mesma coisa que não ser espancado e queimado. Além disso, observe que o pluralismo afirma ser verdadeiro e que nada contra ele é falso – sendo essa uma afirmação que nega o seu próprio princípio fundacional.

O espírito por trás do pluralismo é uma atitude de braços abertos de tolerância. No entanto, o pluralismo confunde a ideia de todos têm o mesmo valor com todas as reivindicações sobre a verdade sendo igualmente válidas. Mais simplesmente, todas as pessoas podem ser iguais, mas nem todas as reivindicações sobre a verdade o são. O pluralismo não consegue entender a diferença entre opinião e verdade, uma distinção que Mortimer Adler observa: "O pluralismo é desejável e tolerável somente naquelas áreas que são questões de gosto e não em questões sobre a verdade."

A Natureza Ofensiva da Verdade
Quando o conceito da verdade é criticado, é normalmente por uma ou mais das seguintes razões:

Uma queixa comum contra alguém alegando ter a verdade absoluta em matéria de fé e religião é que tal postura é "intolerante." No entanto, a crítica não consegue entender que, por natureza, a verdade é intolerante. É um professor de matemática intolerante por manter a crença de que 2 + 2 só pode ser 4?

Uma outra objeção à verdade é que é arrogante afirmar que alguém está certo e outra pessoa está errada. No entanto, voltando ao exemplo acima com a matemática, é arrogante quando um professor de matemática insiste em apenas uma resposta certa para um problema de aritmética? Ou é arrogante quando um serralheiro afirma que apenas uma chave vai abrir uma porta trancada?

Uma terceira acusação contra os defensores da verdade absoluta em matéria de fé e religião é que tal posição exclui as pessoas, ao invés de incluí-las. No entanto, tal queixa não consegue compreender que a verdade, por natureza, exclui o seu oposto. Todos as respostas diferentes de 4 são excluídas da realidade do verdadeiro resultado de 2 + 2.

No entanto, um novo protesto contra a verdade é que é divisivo e ofensivo quando alguém reivindica ter a verdade. Em vez disso, o crítico afirma, tudo o que importa é a sinceridade. O problema com essa posição é que a verdade é imune à sinceridade, crença e desejo. Não importa o quanto se acredita sinceramente que uma chave errada vai abrir a porta; a chave ainda não vai entrar e a fechadura não será aberta. A verdade também não é afetada pela sinceridade. Alguém que pega um frasco de veneno e sinceramente acredita que é limonada ainda vai sofrer os efeitos infelizes do veneno. Finalmente, a verdade é impermeável à vontade. Uma pessoa pode desejar fortemente que seu carro não esteja sem gasolina, mas se o medidor diz que o tanque está vazio e o carro não funciona, então não há desejo no mundo vai milagrosamente fazer com que o carro continue.

Alguns admitem que a verdade absoluta existe, mas, em seguida, afirmam que tal postura é válida apenas na área da ciência e não em questões de fé e religião. Esta é uma filosofia chamada de positivismo lógico, popularizada por filósofos como David Hume e AJ Ayer. Em essência, essas pessoas afirmam que as alegações sobre a verdade devem ser (1) tautologias (por exemplo, todos os solteiros não são casados) ou empiricamente verificáveis (isto é, testável via ciência). Para o positivismo lógico, toda conversa sobre Deus é um absurdo.

Aqueles que defendem a ideia de que só a ciência pode fazer reivindicações sobre a verdade deixam de reconhecer que existem muitos campos onde a ciência é impotente. Por exemplo:

• A ciência não pode provar as disciplinas de matemática e lógica porque as pressupõe.
• A ciência não pode provar verdades metafísicas como a de que mentes além da minha existem.
• A ciência é incapaz de fornecer a verdade nas áreas de moral e ética. Não se pode usar a ciência, por exemplo, para provar que os nazistas eram maus.
• A ciência é incapaz de afirmar verdades sobre as posições estéticas como a beleza do nascer do sol.
• Por último, quando alguém fizer a declaração "a ciência é a única fonte de verdade objetiva", ele acabou de fazer uma reivindicação filosófica que não pode ser testada pela ciência.

E há quem diga que a verdade absoluta não se aplica na área da moralidade. No entanto, a resposta à pergunta: "Será que é moral torturar e matar uma criança inocente?" é absoluta e universal: Não. Ou, para ser mais pessoal, aqueles que defendem a verdade relativa sobre a moral parecem sempre querer que seu cônjuge seja absolutamente fiel.

Porque a Verdade é Importante
Por que é tão importante entender e adotar o conceito de verdade absoluta em todas as áreas da vida (incluindo a fé e religião)? Simplesmente há consequências para estar errado. Dar a alguém a quantidade errada de um medicamento pode matá-lo; ter um gestor de investimentos tomar as decisões monetárias erradas pode empobrecer uma família; embarcar no avião errado irá levá-lo aonde você não deseja ir e lidar com um cônjuge infiel pode resultar na destruição de uma família e, potencialmente, em doença.

Como o apologista cristão Ravi Zacharias explica: "O fato é que a verdade importa - especialmente quando você é o receptor de uma mentira." E em nenhum lugar isso é mais importante do que na área da fé e da religião. A eternidade é um tempo muito longo para estar errado.

Deus e a Verdade
Durante os seis julgamentos de Jesus, o contraste entre a verdade (justiça) e mentiras (injustiça) era inconfundível. Lá estava Jesus, a Verdade, sendo julgado por aqueles cujas ações eram banhadas em mentiras. Os líderes judeus quebraram quase todas as leis destinadas a proteger o réu de condenação injusta. Eles trabalharam com fervor para encontrar qualquer testemunho que incriminasse Jesus, e na sua frustração, voltaram-se a provas falsas apresentadas por mentirosos. No entanto, nem mesmo isso pôde ajudá-los a alcançar o seu objetivo. Sendo assim, quebraram uma outra lei e obrigaram Jesus a implicar a Si mesmo.

Quando diante de Pilatos, os líderes judeus mentiram novamente. Condenaram Jesus de blasfêmia, mas já que sabiam que não seria suficiente para persuadir Pilatos a matar Jesus, eles afirmaram que Jesus era um desafio a César e estava quebrando a lei romana ao incentivar o povo a não pagar impostos. Pilatos rapidamente detectou a sua decepção superficial e nunca nem sequer abordou a acusação.

Jesus, o Justo, estava sendo julgado pelo injusto. O fato triste é que este último sempre persegue o primeiro. É por isso que Caim matou Abel. A ligação entre a verdade e a justiça e entre a falsidade e a injustiça é demonstrado por uma série de exemplos no Novo Testamento:

• Por esta razão, Deus enviará sobre eles uma influência enganadora para que acreditem no que é falso, a fim de que sejam julgados todos os que não deram crédito à verdade, mas deleitaram-se com a injustiça (2 Tessalonicenses 2:9-12, ênfase acrescentada).
• "A ira de Deus se revela do céu contra toda impiedade e perversão dos homens que detêm a verdade pela injustiça" (Romanos 1:18, ênfase adicionada).
• "que retribuirá a cada um segundo o seu procedimento: a vida eterna aos que, perseverando em fazer o bem, procuram glória, honra e incorruptibilidade; mas ira e indignação aos facciosos, que desobedecem à verdade e obedecem à injustiça" (Romanos 2:6-8, ênfase adicionada).
• "não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade" (1 Coríntios 13:5-6 , ênfase acrescentada).

Conclusão
A pergunta que Pôncio Pilatos fez séculos atrás precisa ser reformulada a fim de ser completamente precisa. A observação do governador romano,"Que é a verdade?", ignora o fato de que muitas coisas podem ter a verdade, mas só uma coisa pode realmente ser a Verdade. A verdade deve se originar de algum lugar. A dura realidade é que Pilatos estava olhando diretamente à Origem de toda a Verdade naquela manhã mais de dois mil anos atrás. Não muito tempo antes de ser preso e levado para o governador, Jesus tinha feito a simples declaração: "Eu sou a verdade" (João 14:6) – o que foi bastante incrível. Como poderia um mero homem ser a verdade? Ele não podia ser, a menos que fosse mais que um homem, que é exatamente o que afirmava ser. O fato é que a afirmação de Jesus foi validada quando ressuscitou dos mortos (Romanos 1:4).

Há uma história sobre um homem que vivia em Paris e recebeu a visita de um estranho do interior. Querendo mostrar ao estranho a magnificência de Paris, ele levou-o a Louvre para ver a grande arte e, em seguida, a um concerto em um majestoso teatro para ouvir uma grande orquestra sinfônica. No final do dia, o estrangeiro do interior comentou que não gostou particularmente nem na arte ou da música. O seu anfitrião respondeu: "Eles não estão em julgamento, você está." Pilatos e os líderes judeus achavam que estavam julgando Cristo, quando, na realidade, eles que estavam sendo julgados. Além disso, Aquele que foi condenado vai na verdade servir como o seu Juiz um dia, como o será para todos os que detêm a verdade em injustiça.

Pilatos evidentemente nunca chegou ao conhecimento da verdade. Eusébio, o historiador e bispo de Cesareia, registra o fato de que Pilatos finalmente cometeu suicídio em algum momento durante o reinado do imperador Calígula - um final triste e um lembrete para todos que ignorar a verdade sempre leva a consequências indesejáveis.


Voltar à página principal em português

Que é a verdade?