O que é a Lectio Divina?



Pergunta: "O que é a Lectio Divina?"

Resposta:
A Lectio Divina é latim para "leitura divina", "leitura espiritual" ou "leitura santa" e representa um método de oração e leitura bíblica que tem a intenção de promover a comunhão com Deus e fornecer discernimentos espirituais especiais. Os princípios da Lectio Divina foram expressos por volta do ano 220 e posteriormente praticados por monges católicos, especialmente as regras monásticas dos Santos Pacômio, Agostinho, Basílio e Bento.

A prática da lectio divina é actualmente muito popular entre os católicos e gnósticos, e está ganhando aceitação como parte integrante das práticas devocionais da Igreja Emergente. O Papa Bento XVI disse em um discurso de 2005: "Eu gostaria de especialmente recordar e recomendar a antiga tradição da lectio divina: a leitura assídua da Sagrada Escritura acompanhada pela oração que causa um diálogo íntimo no qual a pessoa que lê ouve Deus, o qual está falando e, em oração, responde-lhe com uma abertura do coração que demonstra confiança." Diz- que a Lectio é também adaptável para as pessoas de outras religiões na leitura de sua escritura - mesmo que seja o Bhagavad Gita, o Torá ou o Corão. Os descrentes podem simplesmente fazer modificações adequadas do método para acomodar as tradições seculares. Além disso, os quatro princípios da lectio divina também podem ser adaptados aos quatro princípios psicológicos junguianos de sensoriamento, pensamento, intuição e sentimento.

A prática da lectio divina começa com um momento de relaxamento, tornando-se confortável e limpando a mente de pensamentos e preocupações mundanas. Alguns praticantes da lectio acham que é útil começar a se concentrar com respirações de limpeza profunda e repetindo uma frase ou palavra escolhida várias vezes para ajudar a libertar a mente. Em seguida, eles seguem quatro passos:

Lectio - Ler a passagem da Bíblia com cuidado e lentamente várias vezes. A passagem em si não é tão importante quanto saborear cada porção da leitura, sempre ouvindo a "voz mansa e delicada" de uma palavra ou frase que de alguma forma fala com o que a pratica.

Meditatio - Refletir sobre o texto da passagem e pensar em como ele se aplica à própria vida. Isso é considerado uma leitura e aplicação muito pessoal da escritura.

Oratio - Responder à passagem abrindo o coração para Deus. Este não é um exercício intelectual, mas pensa-se ser o início de uma conversa com Deus.

Contemplatio - Ouvir a Deus. Isso é se libertar dos seus próprios pensamentos, tanto mundanos quanto santos, e ouvir Deus falar conosco. Ou seja, é abrir a mente, coração e alma à influência de Deus.

Naturalmente, a conexão entre a leitura da Bíblia e oração é uma a ser incentivada, pois elas devem sempre andar juntas. No entanto, os perigos inerentes a este tipo de prática, e sua semelhança surpreendente com a meditação transcendental e outros rituais perigosos, devem ser cuidadosamente considerados. Essa prática tem o potencial de se tornar uma busca de experiência mística em que o objetivo é libertar a mente e fortalecer-se. O cristão deve usar as Escrituras para buscar o conhecimento de Deus, sabedoria e santidade através do significado objetivo do texto com a intenção de transformar a mente de acordo com a verdade. Deus disse que o Seu povo é destruído pela falta de conhecimento (Oseias 4:6), não pela falta de encontros pessoais e místicos com Ele.

Aqueles que tomam uma abordagem sobrenatural ao texto tendem a desconectá-lo do seu contexto e significado natural e usá-lo de uma forma individualista, subjetiva e experiencial que não se alinha com a intenção original. Aqui é onde lectio e gnosticismo compartilham uma semelhança. O gnosticismo cristão é a crença de que é preciso ter um "gnosis" (do grego Gnosko, "conhecer") ou um conhecimento místico e interior obtido somente após uma iniciação apropriada. Apenas alguns poucos podem possuir este conhecimento místico. Naturalmente, a ideia de ter um conhecimento especial é muito atraente e faz com que o "conhecedor" se sinta importante e especial por ter uma experiência especial com Deus que ninguém mais tem. O "conhecedor" acredita que as massas não possuem esse conhecimento espiritual e somente os verdadeiros "iluminados" podem ter tal experiência com Deus. Isso explica a reintrodução na Igreja da oração contemplativa, ou centralizadora - uma prática de meditação que se concentra em ter uma experiência mística com Deus. A oração contemplativa é semelhante aos exercícios de meditação usados nas religiões orientais e seitas da Nova Era e não tem qualquer fundamento na Bíblia, embora os que orem assim usem a Bíblia como um ponto de partida.

Além disso, os perigos inerentes a abrir nossas mentes e ouvir vozes devem ser óbvios. Os oradores contemplativos estão tão ansiosos para ouvir alguma coisa - qualquer coisa - que podem perder a objetividade necessária para discernir entre a voz de Deus, os seus próprios pensamentos e a infiltração de demônios em suas mentes. Satanás e seus asseclas estão sempre ansiosos para encontrar incursões à mente dos incautos, e abrir nossas mentes de tal forma é convidar o desastre. Nunca devemos esquecer que Satanás está sempre à espreita, procurando devorar nossas almas (1 Pedro 5:8), e pode aparecer como um anjo de luz (2 Coríntios 11:14), sussurrando seu engano em nossas mentes abertas e dispostas.

Finalmente, o ataque à suficiência das Escrituras é uma distinção clara da lectio divina. Onde a Bíblia afirma ser tudo de que precisamos para viver a vida cristã (2 Timóteo 3:16), os adeptos da lectio negam isso. Aqueles que praticam as orações de "conversação", em busca de uma revelação especial de Deus, estão pedindo a Ele que ignore o que já revelou para a humanidade, como se estivesse disposto a renegar todas as Suas promessas sobre a Sua Palavra eterna. Salmo 19:7-14 contém a declaração definitiva sobre a suficiência das Escrituras: "é perfeita e restaura a alma", é "fiel e dá sabedoria aos símplices", é "pura e ilumina os olhos", é "verdadeira" e "inteiramente justa", e são "mais desejáveis do que ouro." Se Deus realmente quis dizer tudo o que disse neste salmo, não há necessidade de revelação adicional, e pedir-Lhe por uma é negar o que Ele já revelou.

O Antigo e o Novo Testamento são palavras de Deus a serem estudadas, meditadas, oradas e memorizadas pelo conhecimento objetivo e significado que contêm e pela autoridade de Deus que carregam, e não pela experiência mística ou sentimento de poder pessoal e paz interior que podem estimular. O bom conhecimento vem em primeiro lugar; em seguida, o tipo duradouro de experiência e paz vem como um subproduto de conhecer e ter comunhão com Deus da maneira correta. Enquanto uma pessoa tiver essa visão da Bíblia e oração, ela está envolvida no mesmo tipo de meditação e oração que a Bíblia ensina e que os seguidores de Cristo têm sempre elogiado e recomendado.


Voltar à página principal em português

O que é a Lectio Divina?