www.GotQuestions.org/Portugues




Pergunta: "Qual era o propósito dos bíblicos dons de sinais?"

Resposta:
Quando falamos dos bíblicos dons de sinais, estamos nos referindo a milagres como falar em línguas, visões, cura, ressuscitar os mortos e profetizar. Entre os crentes isso não é uma questão de se existiam ou não, pois a Bíblia os descreve claramente. No entanto, eles discordam entre si quanto à sua finalidade, bem como se devemos vivenciá-los hoje. Alguns dizem que esses dons são um sinal da nossa salvação, enquanto outros dizem que são um sinal do batismo do Espírito Santo, e ainda outros dizem que sua finalidade é autenticar a mensagem do evangelho. Como podemos saber o que é verdade? Devemos examinar as Escrituras para aprender o que Deus diz sobre essas coisas.

Uma das primeiras referências a dons de sinais presentes na Bíblia é encontrada em Êxodo 4, quando Moisés está sendo instruído por Deus sobre a libertação iminente do Egito. Moisés estava preocupado que as pessoas não acreditariam que Deus o enviara, por isso Deus lhe deu os sinais da haste tornando-se uma serpente e sua mão tornando-se leprosa. Deus disse sobre os sinais: "Isso é para que eles acreditem que o Deus dos seus antepassados, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, o Deus de Jacó, apareceu a você" (v. 5). Se as pessoas ainda não acreditassem, Deus disse a Moisés para tirar água do Nilo e derramá-la no chão, onde se tornaria sangue (v. 9). O propósito era que os filhos de Israel acreditassem no mensageiro de Deus.

Deus também deu a Moisés sinais milagrosos para mostrar a Faraó a fim de que o líder egípcio libertasse o povo. Em Êxodo 7:3-5, Deus disse a Moisés que multiplicaria Seus sinais e maravilhas no Egito, pois "os egípcios saberão que eu sou o Senhor, quando eu estender a minha mão contra o Egito e tirar de lá os israelitas." Deus queria que o povo egípcio soubesse que Ele era o único por trás da libertação dos israelitas. Em Êxodo 10:7, Moisés disse a Faraó que a praga final, a que mataria o primogênito, tinha o objetivo de mostrar que Deus fazia uma distinção entre os egípcios e os israelitas. Os sinais e maravilhas confirmaram a mensagem de Deus ao Faraó e aos egípcios para que soubessem que Moisés tinha sido enviado por Deus.

Quando Elias enfrentou os falsos profetas no Monte Carmelo (1 Reis 18), ele orou para que Deus milagrosamente enviasse fogo do céu para que as pessoas soubessem "que tu és Deus em Israel e que sou o teu servo e que fiz todas estas coisas por ordem tua....para que este povo saiba que tu, ó Senhor, és Deus, e que fazes o coração deles voltar para ti" (v. 36-37). Os milagres que ele e os outros profetas realizaram foram uma confirmação de que Deus havia lhes enviado e estava trabalhando entre os israelitas.

Joel recebeu uma mensagem do juízo de Deus sobre Israel, e dentro dessa mensagem havia uma profecia de misericórdia e esperança. Quando o julgamento veio como profetizado, e as pessoas responderam com arrependimento, Deus disse que iria remover os julgamentos e restaurar a Sua bênção: "Então vocês saberão que eu estou no meio de Israel. Eu sou o Senhor, o seu Deus, e não há nenhum outro; nunca mais o meu povo será humilhado" (Joel 2:27). Imediatamente após essa declaração, Deus falou sobre derramar o Seu Espírito sobre o povo para que profetizassem, tivessem visões e vissem maravilhas acontecendo. Quando os discípulos começaram a falar em línguas no dia de Pentecostes (Atos 2:1-21), Pedro declarou: "isto é o que foi predito pelo profeta Joel." Qual era o propósito? Que as pessoas soubessem que a mensagem trazida por Pedro e os outros era realmente de Deus.

O ministério de Jesus foi acompanhado por vários sinais e maravilhas. Qual era o propósito de Seus milagres? Em João 10:37-38, Jesus estava respondendo aos judeus que queriam apedrejá-lo por blasfêmia, e Ele disse: "Se eu não realizo as obras do meu Pai, não creiam em mim. Mas se as realizo, mesmo que não creiam em mim, creiam nas obras, para que possam saber e entender que o Pai está em mim, e eu no Pai". Assim como no Antigo Testamento, o propósito dos milagres de Jesus era confirmar a mão de Deus em Seu Mensageiro.

Quando os fariseus pediram a Jesus que lhes mostrasse um sinal, Jesus disse: "Uma geração perversa e adúltera pede um sinal miraculoso! Mas nenhum sinal lhe será dado, exceto o sinal do profeta Jonas. Pois assim como Jonas esteve três dias e três noites no ventre de um grande peixe, assim o Filho do homem ficará três dias e três noites no coração da terra. Os homens de Nínive se levantarão no juízo com esta geração e a condenarão; pois eles se arrependeram com a pregação de Jonas, e agora está aqui o que é maior do que Jonas" (Mateus 12:39-41). Jesus deixou bem claro que o propósito de um sinal era para que as pessoas reconhecessem a mensagem de Deus e respondessem adequadamente. Da mesma forma, em João 4:48, Ele disse ao nobre: "Se vocês não virem sinais e maravilhas, nunca crerão." Os sinais foram uma ajuda para aqueles que tinham dificuldade para acreditar, mas a mensagem da salvação em Cristo era o foco.

Esta mensagem de salvação foi descrita por Paulo em 1 Coríntios 1:21-23: "Visto que, na sabedoria de Deus, o mundo não o conheceu por meio da sabedoria humana, agradou a Deus salvar aqueles que creem por meio da loucura da pregação. Os judeus pedem sinais miraculosos, e os gregos procuram sabedoria; nós, porém, pregamos a Cristo crucificado, o qual, de fato, é escândalo para os judeus e loucura para os gentios." Os sinais têm a sua finalidade, mas são um meio para um fim maior -- a salvação das almas através da pregação do evangelho. Em 1 Coríntios 14:22, Paulo afirma claramente que "as línguas são um sinal para os descrentes." Deus usou sinais milagrosos como falar em línguas para convencer os incrédulos de que a mensagem de Cristo era a verdade, mas como o resto do contexto mostra, a coisa mais importante foi a declaração clara da mensagem do evangelho.

Uma coisa que é muitas vezes ignorada nas discussões sobre sinais e milagres é o seu momento e colocação nas Escrituras. Ao contrário da crença popular, as pessoas nos tempos bíblicos não viam milagres o tempo todo. Na verdade, os milagres da Bíblia são geralmente agrupados em torno de interações especiais de Deus com a humanidade. A libertação de Israel do Egito e a entrada na Terra Prometida foram acompanhadas por muitos milagres, mas eles desapareceram logo depois. Durante os últimos anos do reino, quando Deus estava prestes a colocar o povo no exílio, Ele permitiu que alguns dos Seus profetas fizessem milagres. Quando Jesus veio viver entre nós, Ele fez milagres, e no início do ministério dos apóstolos, eles fizeram milagres, mas fora desses momentos, vemos pouquíssimos milagres ou sinais na Bíblia. A grande maioria das pessoas que viveram nos tempos bíblicos nunca viu sinais e maravilhas com seus próprios olhos. Elas tinham que viver pela fé no que Deus já havia lhes revelado.

Na igreja primitiva, os sinais e maravilhas eram principalmente centrados na primeira apresentação do evangelho entre os vários grupos de pessoas. No dia de Pentecostes, lemos que havia "judeus, tementes a Deus, vindos de todas as nações do mundo" reunidos em Jerusalém (Atos 2:5). Foi a estes judeus, que tinham sido criados em outras terras e falavam línguas estrangeiras (v. 6-11), que o sinal de línguas foi primeiramente dado. Eles reconheceram que estavam ouvindo em suas línguas nativas sobre as obras maravilhosas de Deus, e Pedro disse-lhes que a única resposta apropriada era de se arrepender de seus pecados (v. 38). Quando o evangelho foi apresentado pela primeira vez entre os samaritanos, Filipe fez sinais e maravilhas (Atos 8:13).

Mais uma vez, quando Pedro foi enviado a Cornélio, um gentio, Deus deu um sinal miraculoso para confirmar a Sua obra. "Os judeus convertidos que vieram com Pedro ficaram admirados de que o dom do Espírito Santo fosse derramado até sobre os gentios, pois os ouviam falando em línguas e exaltando a Deus" (Atos 10:45-46). Quando Pedro foi questionado pelos outros apóstolos, ele deu isso como evidência da direção de Deus, e os outros "louvaram a Deus, dizendo: ‘Então, Deus concedeu arrependimento para a vida até mesmo aos gentios!’" (Atos 11:18).

Em todos os casos, os dons de sinais foram uma confirmação da mensagem e do mensageiro de Deus para que as pessoas pudessem ouvir e crer. Uma vez que a mensagem foi confirmada, os sinais desapareciam. Normalmente não precisamos que esses sinais sejam repetidos em nossas vidas, mas precisamos receber a mesma mensagem do evangelho.

© Copyright 2002-2014 Got Questions Ministries.