Livro de 2 Crônicas



Autor: O Livro de 2 Crônicas não revela especificamente o nome do seu autor. A tradição é que 1 e 2 Crônicas foram escritos por Esdras.

Quando foi escrito: O Livro de 2 Crônicas foi provavelmente escrito entre 450 e 425 AC.

Propósito: Os livros de 1 e 2 Crônicas abrangem praticamente as mesmas informações que 1 e 2 Samuel e 1 e 2 Reis. 1 e 2 Crônicas se focalizam mais no aspecto sacerdotal da época. O livro de 2 Crônicas é praticamente uma avaliação da história religiosa daquela nação.

Versículos-chave: 2 Crônicas 2:1: “Resolveu Salomão edificar a casa ao nome do SENHOR, como também casa para o seu reino.”

2 Crônicas 29:1-3: “Tinha Ezequias vinte e cinco anos de idade quando começou a reinar e reinou vinte e nove anos em Jerusalém. Sua mãe se chamava Abia e era filha de Zacarias. Fez ele o que era reto perante o SENHOR, segundo tudo quanto fizera Davi, seu pai. No primeiro ano do seu reinado, no primeiro mês, abriu as portas da Casa do SENHOR e as reparou.”

2 Crônicas 36:14: “Também todos os chefes dos sacerdotes e o povo aumentavam mais e mais as transgressões, segundo todas as abominações dos gentios; e contaminaram a casa que o SENHOR tinha santificado em Jerusalém.”

2 Crônicas 36:23: “Assim diz Ciro, rei da Pérsia: O SENHOR, Deus dos céus, me deu todos os reinos da terra e me encarregou de lhe edificar uma casa em Jerusalém, que está em Judá; quem entre vós é de todo o seu povo, que suba, e o SENHOR, seu Deus, seja com ele.”

Resumo: O livro de 2 Crônicas registra a história do Reino do Sul de Judá, desde o reinado de Salomão à conclusão do exílio babilônico. A queda de Judá é decepcionante, mas a ênfase é dada aos reformadores espirituais que zelosamente tentaram ajudar o povo a voltar-se a Deus. Pouco é dito sobre os maus reis ou os fracassos dos reis bons; apenas bondade é destacada. Já que 2 Crônicas adota uma perspectiva sacerdotal, o Reino do Norte de Israel raramente é mencionado por causa de sua falsa adoração e de sua recusa em reconhecer o Templo de Jerusalém. Segundo Crônicas termina com a destruição final de Jerusalém e do templo.

Prenúncios: Tal como acontece com todas as referências a reis e templos no Antigo Testamento, vemos nelas um reflexo do verdadeiro Rei dos Reis - Jesus Cristo - e do Templo do Espírito Santo - o Seu povo. Mesmo o melhor dos reis de Israel tinha as falhas de todos os homens pecadores e conduziu o povo de forma imperfeita. Mas quando o Rei dos Reis viver e reinar sobre a terra no milênio, ele vai estabelecer-se no trono de toda a terra como o legítimo herdeiro de Davi. Só então teremos um rei perfeito que reinará em justiça e santidade, algo sobre o qual o melhor dos reis de Israel só podia sonhar.

Da mesma forma, o grande templo construído por Salomão não foi projetado para durar para sempre. Apenas 150 anos mais tarde, esse templo já estava precisando de reparo devido à deterioração e deformação causada pelas gerações futuras que tinham se voltado à idolatria (2 Reis 12). Mas o templo do Espírito Santo - aqueles que pertencem a Cristo - viverá para sempre. Nós - os pertencentes a Jesus - somos o templo, não feitos por mãos, mas pela vontade de Deus (João 1:12-13). O Espírito que vive dentro de nós nunca vai se afastar e nos entregará seguramente nas mãos de Deus um dia (Efésios 1:13; 4:30). Nenhum templo terrestre contém essa promessa.

Aplicação Prática: O leitor de Crônicas é convidado a avaliar cada geração do passado e discernir por que cada um ou foi abençoado por sua obediência ou punido por sua maldade. Mas também devemos comparar a situação dessas gerações à nossa, tanto em conjunto como individualmente. Se nós, ou a nossa nação e nossa igreja, estamos passando por dificuldades, é para o nosso bem comparar nossas crenças, assim como a forma em que elas influenciam o nosso modo de agir, com as experiências dos israelitas sob os vários reis. Deus odeia o pecado e não vai tolerá-lo. Mas se o livro de Crônicas nos ensina alguma coisa, a sua lição é que Deus deseja perdoar e curar aqueles que humildemente oram e se arrependem (1 João 1:9).

Se você pudesse ter qualquer coisa que pedisse a Deus, qual seria o seu pedido? Grandes riquezas? Perfeita saúde para você e seus entes queridos? O poder sobre a vida e a morte? Incrível pensar nisso, não é? Mas o mais surpreendente é que Deus fez tal oferta a Salomão e ele não escolheu nenhuma destas coisas. O que ele pediu foi sabedoria e conhecimento para completar a tarefa que Deus havia-lhe designado e fazê-lo bem. A nossa lição é que Deus deu a cada um de nós uma tarefa para cumprir e a maior bênção que podemos buscar de Deus é a capacidade de realizar a Sua vontade para nossas vidas. Para isso, precisamos de “sabedoria do alto” (Tiago 3:17) para discernir sua vontade, bem como da compreensão e conhecimento íntimo dEle a fim de nos motivar à semelhança de Cristo tanto em ação quanto em atitude (Tiago 3:13).


Voltar à página principal em português

Livro de 2 Crônicas